15:24 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Militar na Rocinha ao lado de muro com as inscrições do Comando Vermelho.

    Paraguai deixou de ser paraíso para facções criminosas do Brasil, diz ministro

    © AP Photo / Silvia Izquierdo
    Américas
    URL curta
    270

    O ministro da Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai (Senad), Arnaldo Guizzio, disse nesta sexta-feira que a operação contra o grupo criminoso brasileiro Comando Vermelho (CV), o país está demonstrando que não é mais um paraíso para essas facções, informou a imprensa local.

    "O que está sendo gerado é desencorajar as organizações criminosas ou mostrar-lhes que este país não será mais um refúgio para a instalação de seus negócios e orquestrar salvamentos como eles pretendiam fazer", afirmou o ministro à Rádio Nacional, como citado em Agência de Informações do Paraguai.

    O Senado, a Polícia e o Ministério Público realizaram na quinta-feira uma batida e a prisão de cinco integrantes do Comando Vermelho. Também confiscaram uma grande quantidade de armas pesadas e um caderno com um esboço das instalações da Associação Especializada de Polícia.

    De acordo com relatórios de inteligência, a facção criminosa brasileira tinha planejado atacar a sede policial neste fim de semana para resgatar Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, chefe do Comando Vermelho, que foi preso no fim do ano passado em uma operação em Assunção.

    "Sem dúvida eles estavam trazendo as armas pouco a pouco, em alguns casos até desarmados, e estavam se instalando. Eles planejavam instalar vários abrigos na capital e no Departamento Central, preparando já o voo subsequente", acrescentou o ministro.

    Guizzio observou que a partir da quantidade de rádios do tipo walkie-talkie apreendidos entre 20 e 25 criminosos foram para tomar parte na tentativa de resgate.

    Por fim, o líder ressaltou que nos últimos tempos o governo gerou resultados positivos no combate às organizações criminosas.

    O Comando Vermelho é o mais antigo grupo criminoso do Brasil, já que existe desde 1969 e é dedicado principalmente ao narcotráfico. Sua base no Rio de Janeiro, mas tem presença em outras partes do Brasil e também opera no Paraguai e na Bolívia. Atualmente, o grupo possui cerca de 50.000 combatentes ativos.

    Mais:

    Paraguai retorna embaixada de Jerusalém para Tel Aviv, irrita Israel e agrada palestinos
    Novo presidente do Paraguai promete 'solidariedade' com Nicarágua e Venezuela
    Narcosul, o cartel do PCC que cresce na Amazônia e pode ser o 1° transnacional do mundo
    'PCC é uma franquia que prosperou porque os governos cederam'
    Tags:
    violência, facção criminosa, tráfico de drogas, narcotráfico, Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai (Senad), Comando Vermelho, Arnaldo Guizzio, Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, Paraguai, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik