07:16 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Região de Antofagasta, hoje em dia território do Chile

    Corte Internacional rejeita argumentos da Bolívia para ter saída ao Pacífico pelo Chile

    © AFP 2018 / FRANCK FIFE
    Américas
    URL curta
    699

    A Corte Internacional de Justiça, com sede em Haia, rejeitou esta segunda-feira (1º) a demanda da Bolívia que procurava obrigar o Chile a negociar um acesso soberano ao oceano Pacífico.

    Por 12 votos contra três, a organização internacional invalidou todos os argumentos apresentados por La Paz para a reivindicação.

    "A República do Chile não contraiu a obrigação legal de negociar um acesso soberano ao oceano Pacífico para o Estado plurinacional da Bolívia", disse o presidente da corte, Abdulqawi Ahmed Yusuf, citado pela agência Reuters.

    A Bolívia perdeu seu acesso ao mar para o Chile durante a guerra de 1879-1883 e tem disputado a saída ao oceano Pacífico há gerações.

    Porém, o Chile argumentou na corte que sua fronteira com a Bolívia foi estabelecida pelo acordo de 1904 e que não tem obrigações de negociá-la.

    No entanto, o tribunal afirmou que esta decisão não impede que as partes continuem "com um diálogo e um espírito de boa vizinhança para abordar os assuntos de mediterraneidade da Bolívia".

    Na corte estava presente o presidente boliviano, Evo Morales, enquanto seu homólogo chileno escutava a decisão desde a sede do governo em Santiago.

    Santiago também aponta que a Bolívia já tem acesso isento de impostos ao porto chileno de Arica. No entanto, a Bolívia quer seu próprio porto soberano.

    A disputa tem sido há muito tempo um espinho nas relações diplomáticas entre os dois países, que não possuem embaixadores entre si há décadas.

    Mais:

    Banco Central da Bolívia confirma meta do PIB e baixa previsão de inflação
    Evo Morales critica veto à candidatura de Lula nas eleições do Brasil
    Tags:
    mar, acesso, disputa, saída, tribunal, Corte Internacional de Justiça, oceano Pacífico, Chile, Bolívia, Haia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik