15:57 15 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira dos EUA em um dos navios da Marinha dos EUA

    Navios da Marinha dos EUA são epicentros de assédio sexual

    © AFP 2018 / NOEL CELIS/POOL
    Américas
    URL curta
    243

    Os índices de assédio sexual são maiores em navios comissionados com a Marinha dos EUA do que em qualquer outro setor ou unidade de serviço militar norte-americano.

    Segundo a instituição de pesquisa Rand Corporation, os navios da Marinha "dominam" como "instalações de maior risco" para abusos sexuais entre homens e mulheres em todo o exército, reportou o website Military.com na sexta-feira (21). A instituição de pesquisa financiada pelo governo federal analisou dados de 2014 com base em 170 mil efetivos para chegar ao resultado.

    "O risco estimando para cada efetivo de ser agredido sexualmente no próximo ano depende, de modo surpreendente, de sua designação para uma determinada unidade, comando e instalação", informou a Rand Corporation.

    No ano em que os dados foram coletados, relataram-se cerca de 500 incidentes de assédios sexuais no Exército e na Marinha dos EUA em diversos centros de treinamento.

    Segundo o estudo, o índice de assédios sexuais foi menor nos locais e instituições perto da capital do país, pequenos centros de apoio e instalações médicas. O menor risco de agressão sexual foi atribuído à "senioridade ou profissão dos soldados designados para empregos em Washington".

    "As diferenças podem resultar da diferença no clima de comando, disponibilidade de álcool e seus preços, taxas de criminalidade de comunidades civis nas proximidades ou a presença transitória de um ou mais agressores sexuais", concluiu o relatório.

    Mais:

    Navios militares da Ucrânia se aproximam da Crimeia
    Diplomata chinês: Ocidente envia navios ao mar do Sul da China para 'criar problemas'
    Navios de guerra da OTAN se aproximam da Síria
    Tags:
    militares, assédio sexual, Exército dos EUA, Marinha dos EUA, Washington, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik