06:30 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Voluntários em simulação sobre como reagir a ataque químico em Aleppo (arquivo)

    EUA: Daesh usou armas químicas rudimentares em ataques terroristas

    © AFP 2018 / JM LOPEZ
    Américas
    URL curta
    406

    Daesh usou armas químicas rudimentares e encorajou os simpatizantes a usar qualquer outra arma à sua disposição para realizar ataques terroristas. Quem afirma é o Departamento de Estado dos EUA em um relatório divulgado nesta quarta-feira (19).

    "O grupo terrorista Daesh [proibido na Rússia e em diversos outros países] experimentou e empregou pequenos sistemas aéreos não tripulados e usou armas químicas rudimentares", disse o Departamento de Estado em seu relatório sobre terrorismo em 2017. 

    De acordo com o documento, "o grupo incentivou os simpatizantes a usar qualquer arma que estivesse à mão, como grandes veículos contra alvos fáceis e espaços públicos".

    O relatório também observou que o Daesh perdeu território e continuou a se afastar de uma estrutura centralizada de comando e controle para uma estrutura mais difusa. Essa abordagem das operações incluía a transferência da responsabilidade de decidir onde, quando e como atacar terroristas locais influenciados ou capacitados pelo grupo terrorista.

    Na terça-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse durante uma coletiva de imprensa conjunta com o presidente polonês que tomaria uma decisão rapidamente de trazer as tropas dos EUA da Síria assim que o Daesh for erradicado, um processo que, segundo ele, está em fase de conclusão.

    Mais:

    Trump diz que vai decidir sobre retirada de tropas na Síria quando o Daesh for erradicado
    Enviado russo: número de terroristas do Daesh no Afeganistão pode chegar a 10 mil
    Autoridades alemãs prendem suspeito vinculado ao Daesh que retornou da Síria
    Forças Democráticas da Síria iniciam ofensiva contra restos do Daesh no nordeste da Síria
    Tags:
    ataque químico, terrorismo, Daesh, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik