07:51 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Stand da Odebrecht na LADD 2015

    Ex-presidente peruano Kuczynski adia entrega de informações da Odebrecht

    VANDERLEI ALMEIDA / AFP
    Américas
    URL curta
    0 0 0

    A defesa do ex-presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018), pediu para adiar a entrega de documentação bancária dele, bem como das empresas que tenham prestado serviços à Odebrecht à Procuradoria.

    "Nós pedimos para uma extensão de tempo (…) Estamos comprometidos em entregar os documentos para provar fonte legal do seu patrimônio", anunciou César Nagasaki, advogado de Kuczynski, em seu Twitter.

    Os promotores haviam solicitado para este 13 de setembro que o ex-presidente entregasse os seu extratos das contas no banco americano Wells Fargo, entre os anos de 2001 e 2013.

    Além disso, foram solicitados os contratos de fornecimento de serviços celebrados pela empresa offshore Westfield Capital, de propriedade de Kuczynski, e através da qual o presidente admite que prestou serviços de assessoria financeira para a Odebrecht.

    A promotoria também solicitou documentação das empresas Dorado Asset Management e Latin American Enterprise Fund Managers, das quais Kuczynski era sócio.

    A defesa do ex-presidente não determinou quando ele apresentará a documentação exigida pelos promotores.

    Em março passado, o ex-diretor da Odebrecht no Peru, Jorge Barata, disse aos promotores dp país que sua empresa entregou US $ 300 mil para Kuczynski financiar sua campanha presidencial de 2011.

    O Gabinete do Procurador investiga que outros pagamentos ilegais podem ter sido feitos pela empresa de construção em favor do ex-chefe de Estado.

    Mais:

    MP peruano interroga funcionários da Odebrecht sobre desvios
    Terceira denúncia vem aí? PF conclui que Temer recebeu propinas da Odebrecht
    Lula e Gleisi são denunciados por supostas relações ilícitas com a Odebrecht
    Documentos indicam que Odebrecht financiou campanha de ex-prefeita de Lima
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik