19:55 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    A bandeira americana em um veículo vibra quando o sol se põe atrás da cúpula do Capitólio dos EUA nas horas antes de o presidente Barack Obama entregar o discurso do Estado da União a uma sessão conjunta do Congresso em Washington em 12 de janeiro de 2016

    EUA acreditam que sanções custaram dezenas de bilhões de dólares a Moscou

    © REUTERS / Jonathan Ernst
    Américas
    URL curta
    10214

    As sanções dos EUA contra a Rússia custaram a Moscou dezenas de bilhões de dólares, disse a vice-secretária de Assuntos Econômicos e Negócios do Departamento de Estado, Manisha Singh, durante uma audiência no Congresso nesta quinta-feira.

    "Avaliamos que as nossas sanções, cumulativamente, custaram ao governo russo dezenas de bilhões de dólares, além de um impacto mais amplo nos setores estatais e um efeito inibidor geral sobre as perspectivas para a economia russa", disse Singh à Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Representantes.

    Singh observou que os Estados Unidos têm como alvo das novas sanções a principal empresa estatal de comércio de armas da Rússia, a Rosoboronexport, bem como a principal empresa de energia, EurosibEnergo, e a gigante russa de petróleo, Surgutneftegaz.

    Washington também impôs sanções aos chefes dos principais bancos e empresas de energia da Rússia, disse Singh.

    Os Estados Unidos já impuseram sanções à Rússia por sua suposta interferência na eleição presidencial dos EUA em 2016.

    Moscou nega todas as alegações de interferência e repudia publicamente as sanções.

    Mais:

    Trump assina ordem para impor sanções a países que interferirem em eleições
    Reino Unido pode expandir sanções contra Rússia pelo caso Skripal
    Câmara dos EUA aprova projeto para impor sanções a países que apoiam ciberataques
    Pressão e sanções dos EUA não impedirão Índia de comprar S-400 russos
    Presidente ucraniano discute situação em Donbass e sanções contra Rússia em Washington
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik