14:23 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Logo do Google

    Imprensa dos EUA ignora denúncia de suposto favorecimento do Google a Hillary em 2016

    © REUTERS / Mike Blake
    Américas
    URL curta
    101

    A FOX News transmitiu uma reportagem especial em que acusa uma funcionária sênior do Google de supostamente tentar aumentar o comparecimento de eleitores latino-americanos para ajudar Hillary Clinton a vencer as eleições presidenciais de 2016.

    A denúncia de uma suposta interferência do Google nas eleições presidenciais de 2016 foi ignorada pelos programas matutinos de três grandes redes de notícias americanas, segundo o site NewsBusters.

    A reportagem foi apresentada com exclusividade pelo âncora da Fox News Tucker Carlson na noite de ontem. ABC, CBS e NBC preferiram ignorar o assunto na manhã de segunda-feira. A ABC, em especial, preferiu transmitir uma entrevista com Donald Trump Jr. sobre questões relacionadas à censura de empresas.

    Durante o programa Tucker Carlson Tonight de segunda-feira, o apresentador disse que o programa obteve um e-mail enviado pela funcionária sênior do Google, Eliana Murillo alegando p uso dos recursos da empresa para expandir a participação dos eleitores em uma campanha para ajudar Clinton durante as eleições de 2016.

    "Em seu e-mail, Murillo elogia os esforços multifacetados do Google para aumentar a participação dos hispânicos nas eleições. Ela sabe que os latinos votaram em números recordes, especialmente em estados como Flórida, Nevada e Arizona, o último dos quais ela descreve como 'um estado chave para nós. Ela se gaba de que a empresa usou seu poder para garantir que milhões de pessoas vissem certas hashtags e impressões em rede social com o objetivo de influenciar seu comportamento durante a eleição", destacou Carlson.

    Ele acrescentou que, ao fim e ao cabo, o Google ficou desapontado com os esforços de Murillo, porque ela reconheceu no e-mail que "nunca previmos que 29% dos latinos votariam no [candidato à presidência Donald] Trump".

    Carlson também disse que depois que a FOX admitiu ao Google  que o email era real. Ele considerou que a mensagem "mostrava uma clara preferência política".

    "Sua única defesa era que as atividades descritas não eram partidárias ou não eram tomadas oficialmente pela empresa. Mas é claro que eram ambas", enfatizou Carlson.

    Ele expressou preocupação com o fato de que, embora muitos no Google soubessem sobre a situação, a FOX não encontrou evidências de que "alguém na empresa desaprovou ou tentou refrear isso".

    No final de agosto, Trump criticou o Google por espalhar informações erradas sobre ele e acusou a empresa de esconder reportagens com conteúdo positivo sobre sua presidência.

    Ele twittou que "os resultados de pesquisa do Google para 'Trump News' mostram apenas a visualização / divulgação de Fake News Media" e que "o Google e outros estão suprimindo vozes de conservadores e ocultando informações e notícias que são boas".

    "Eles estão controlando o que podemos e não podemos ver. Essa é uma situação muito séria — será abordada!", Trump apontou.

    Comentando as alegações de Trump, a empresa disse que os resultados de pesquisa do Google não favoreciam uma ideologia política específica.

    Tags:
    Eleições dos EUA 2016, CBS, ABC, FOX News, Google, Donald Trump Jr, Donald Trump, Eliana Murillo, Tucker Carlson, Estados Unidos, Arizona, Flórida, Nevada
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik