20:07 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Prédio do Congresso dos EUA, em Washington

    Câmara dos EUA aprova projeto para impor sanções a países que apoiam ciberataques

    © AP Photo / Susan Walsh
    Américas
    URL curta
    316

    A Câmara dos Representantes dos EUA aprovou por unanimidade uma medida para impor sanções aos países que patrocinam ataques cibernéticos contra os Estados Unidos, segundo informou o Comitê de Relações Exteriores da Câmara através de um comunicado de imprensa nesta quarta-feira.

    "A Câmara aprovou hoje a Lei de Prevenção e Resposta Cibernética de 2018 (H.R. 5576), para tratar de atividades cibernéticas patrocinadas por Estados contra os Estados Unidos", diz a nota. "Especificamente, a legislação bipartidária protege nossa economia, eleições e infraestrutura crítica de atividades cibernéticas mal-intencionadas patrocinadas por Estados, estabelecendo uma estrutura para deter e responder a futuros ataques cibernéticos contra os Estados Unidos."

    Se a proposta entrar em vigor, ela permitirá ao presidente norte-americano adotar sanções contra qualquer ator que os EUA considerarem uma ameaça cibernética crítica. A medida, no entanto, pede que o chefe de Estado coordene as designações e sanções com aliados e parceiros dos EUA, a fim de maximizar sua eficácia. 

    "Nos últimos anos, adversários estrangeiros desenvolveram sofisticadas capacidades cibernéticas que podem atrapalhar nossas redes, ameaçar nossa infraestrutura crítica, prejudicar nossa economia e minar nossas eleições", afirmou em discurso o presidente do comitê, Ed Royce. "Essa legislação deixará países como Irã, Coreia do Norte e Rússia avisados que os Estados Unidos estão preparados para impor consequências duras a ataques cibernéticos."

    Mais:

    EUA acusam Rússia de orquestrar ciberataque contra a Ucrânia
    Inteligência americana desvenda suposto preparo de ciberataque norte-coreano contra EUA
    Tags:
    ciberataque, Câmara dos Representantes, Ed Royce, Estados Unidos, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik