07:36 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Cabos USB com logotipo do Twitter em plano de fundo

    Twitter suspende quase 4 mil contas supostamente ligadas à Rússia

    © REUTERS / Dado Ruvic
    Américas
    URL curta
    204

    O Twitter suspendeu 3.843 contas supostamente ligadas à Agência de Pesquisa da Internet da Rússia (IRA, na sigla em inglês), disse o CEO da empresa, Jack Dorsey, durante uma audiência no Senado dos Estados Unidos nesta quarta-feira (5).

    A declaração foi feita em depoimento ao Comitê de Inteligência.

    Em fevereiro, a Agência de Pesquisa da Internet da Rússia, supostamente financiada pelo empresário Yevgeny Prigozhin, foi indiciada pelo promotor especial Robert Mueller pela suposta tentativa de manipular a eleição  presidencial de 2016 nos EUA.

    Dorsey disse que o Twitter continua a "construir uma compreensão contextual dessas contas para melhorar nossa capacidade de encontrar e suspender essa atividade o mais rápido possível no futuro".

    Ele disse que algumas contas foram criadas e registradas após as eleições de 2016, usando identidades estadunidenses falsas. Estas contas são focadas em assuntos sociais e políticos divisivos, analisou o CEO do Twitter.

    Dorsey assegurou ao comitê do Senado que o Twitter continua a trabalhar na segurança de sua plataforma.

    Os Estados Unidos acusam repetidamente a Rússia de interferir na eleição presidencial de 2016, embora Moscou negue firmemente as acusações. A equipe de Mueller tem investigado alegações de conluio entre a Rússia e a campanha do presidente dos EUA, Donald Trump. O presidente dos EUA e altos funcionários russos repetidamente refutaram as alegações.

    Mais:

    Analista: cooperação entre Rússia e Turquia na questão síria irrita EUA
    Rússia, Turquia e Irã têm diferentes objetivos na Síria, diz chanceler
    EUA estão dispostos a cooperar com a Rússia para resolver a crise em Idlib
    Google é advertido sobre interferência em eleições na Rússia
    Tags:
    Twitter, Jack Dorsey
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik