01:41 15 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Eduardo Duhalde em 2011.

    Macri representa '1% da população', diz ex-presidente da Eduardo Duhalde

    © AP Photo / Natacha Pisarenko
    Américas
    URL curta
    501

    O ex-presidente argentino Eduardo Duhalde (2002-2003) disse nesta sexta-feira (31) em entrevista à Sputnik Mundo que o atual governo de seu país não teve escolha senão recorrer ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para enfrentar a atual crise econômica. Ele também criticou o atual mandatário Mauricio Macri.

    "A Argentina precisa obter crédito e já não consegue crédito de grandes credores porque há medo de um calote. Por isso tiveram que ir para o FMI, a situação é muito, muito difícil, estamos no meio de uma tempestade", disse Duhalde.

    Em meio a uma inflação elevada e grande déficit fiscal, o dólar está cotado em 39,8 pesos argentinos — o que disparou alarmes na Casa Rosada. O presidente Mauricio Macri promete uma série de medidas para lidar com a crise antes de um novo acordo com o FMI.

    Em junho, o organismo internacional concedeu um empréstimo ao Governo de US$ 50 bilhões em um contrato de três anos. Para conseguir os recursos, Buenos Aires promete reformas para alcançar um déficit primário de 2,7% do produto interno bruto para este ano e 1,3% para 2019.

    No momento da assinatura do contrato, o FMI liberou US$ 15 bilhões para o Governo argentino alocar metade do orçamento, enquanto o restante do pacote seria entregue dentro dos três anos do acordo.

    Mas a Argentina solicitou nesta semana que os próximos pagamentos sejam antecipados. Há uma reunião prevista entre o FMI e o ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne, na terça-feira.

    "A situação é complexa, podemos obviamente sair, mas estamos trabalhando, estamos tentando ajudar o governo, mas com enormes dificuldades que são superáveis", disse Duhalde.

    O ex-presidente também solicitou ajuda ao FMI durante seu mandato e disse que não concorda com a aplicação das recomendações do organismo internacional. Duhalde foi mandatário em meio a crise de 2001 na Argentina, que também registrou uma brutal desvalorização do peso frente ao dólar. Na época, o país chegou a ter 5 presidentes em 12 dias.

    Duhalde foi o último da lista de 5 presidentes após a crise aberta pela renúncia do então chefe do Executivo Fernando de la Rúa.

    Duhalde afirma que o atual governo liderado por Mauricio Macri é "muito fechado em si mesmo".

    "É um governo que representa 1% da população da Argentina e que não entende os problemas sociais, estão afastados dela", disse Duhalde.

    O ex-presidente também afirmou que a Argentina "esqueceu" os setores produtivos para ficar com o "capitalismo financeiro, um capitalismo que não cria trabalhos e se vai a qualquer momento".

    Mais:

    Fazendeiros culpam extraterrestres por mutilação de vacas na Argentina
    Após vitória apertada na Câmara, Senado da Argentina rejeita descriminalização do aborto
    Ex-vice-presidente da Argentina é condenado a mais de 5 anos de prisão
    Popularidade de Macri cai para 35,9% após presidente pedir ajuda ao FMI
    Odebrecht: Juiz intima primo de Macri e ex-ministros de Cristina Kirchner
    'Por favor?': Macri pede a Trump que isente a Argentina de tarifas de aço
    Tags:
    Eduardo Duhalde, Mauricio Macri, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik