22:20 13 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Macri durante a cúpula dos Brics, em 2018.

    Mais uma crise cambial: Argentina aumenta sua taxa de juros para 60% ao ano

    © Sputnik / Vladimir Astapkovich
    Américas
    URL curta
    621

    O Banco Central da Argentina anunciou nesta quinta-feira (30) que elevou sua taxa básica de juros de 45% para 60% ao ano. É uma tentativa de deter a queda no valor de sua moeda.

    Anteriormente, Marcos Peña, chefe do gabinete do presidente Mauricio Macri, foi forçado a negar que o Governo enfrentava um desastre econômico.

    "Não estamos enfrentando o fracasso econômico", disse Peña. "Isso é uma transformação, não um fracasso. Em transformações, há momentos difíceis."

    O peso abriu o dia com uma queda de quase 4% em relação ao dólar estadunidense — apesar do apoio fornecido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) a Buenos Aires. 

    O apoio do FMI, no entanto, não conseguiu reforçar a moeda, que perdeu mais de 45% de seu valor em relação ao dólar desde o início do ano.

    A chefe do FMI, Christine Lagarde, disse na quarta-feira que concordou com o pedido de Macri para acelerar os pagamentos de US$ 50 bilhões em uma tentativa de sustentar a economia da Argentina.

    Falando no Conselho das Américas, Peña atribuiu a volatilidade do mercado à história recente da Argentina.

    "Somos o país que mais vezes violou seus contratos internacionais, que mentiu e trapaceou o resto do tempo, e mostrou várias vezes — até o momento — que não está disposto a buscar equilíbrio fiscal e depender de seus próprios recursos", disse ele.

    Peña insistiu que o caminho tomado por Macri desde que assumiu a presidência em dezembro de 2015 é de "equilíbrio fiscal, desenvolvimento e crescimento".

    A atual turbulência cambial foi atribuída à "vulnerabilidades estruturais" após uma seca massiva que afetou a produção agrícola, o principal gerador de moeda estrangeira, e uma "mudança no contexto financeiro e comercial do mundo, principalmente devido às tensões entre os Estados Unidos e China", disse Peña.

    "Não há soluções mágicas, você tem que buscar a verdade."

    Macri tentou domar a turbulência em um comunicado antes dos mercados abrirem na quarta-feira, assegurando aos argentinos que a ajuda está a caminho.

    "Na semana passada, tivemos novas expressões de falta de confiança nos mercados, especialmente sobre nossa capacidade de obter financiamento para 2019", reconheceu Macri.

    Ele disse que o FMI forneceria "todos os fundos necessários para garantir o cumprimento do programa financeiro no ano que vem".

    Em troca do apoio do FMI, o governo se comprometeu a reduzir seu déficit orçamentário para 2,7% este ano.

    Mais:

    Ex-vice-presidente da Argentina é condenado a mais de 5 anos de prisão
    Bolívia anuncia acordo com a Argentina para cooperação no combate ao tráfico
    Argentina concorda em construir bases norte-americanas em seu território
    Por que EUA instalam base militar na Argentina?
    Navio pesqueiro da Espanha naufraga na Argentina
    Tags:
    FMI, Christine Lagarde, Mauricio Macri, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik