03:08 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Hillary Clinton checa página no computador (arquivo)

    Lembra-se dos e-mails confidenciais de Hillary Clinton? Os chineses tiveram acesso a tudo

    © REUTERS / Carlos Barria
    Américas
    URL curta
    14152

    Um malware permitia aos hackers obter virtualmente todos os e-mails contidos no servidor exatamente como eram enviados e recebidos pela ex-secretária de Estado.

    O servidor de e-mail privado de Hillary Clinton foi invadido por uma empresa de propriedade chinesa, informou o The Daily Caller, citando fontes familiarizadas com o assunto.

    A empresa, que opera em Washington, DC e supostamente serviria de fachada para o governo chinês, teria obtido os e-mails de Clinton em tempo real graças ao código embutido no servidor, que criou instantaneamente uma "cópia de cortesia" de quase todos os e-mails da ex-secretária de estado e os encaminhou para os hackers.

    No início de julho, o deputado Louie Gohmert também anunciou que o Inspetor Geral da Comunidade de Inteligência (ICIG) descobriu que quase todos os e-mails de Clinton foram enviados para uma "entidade estrangeira".

    "O ICIG encontrou nos metadados reais — dados que estão no cabeçalho e no rodapé de todos os e-mails — que uma 'cópia de cortesia' estava sendo enviada para um terceiro e esse terceiro era uma empresa pública chinesa conhecida que estava envolvida na coleta de inteligência para a China”, disse um ex-oficial de inteligência ao veículo, acrescentando que “algo estava embutido” no servidor de Clinton.

    No entanto, Nick Merrill, porta-voz de Hillary Clinton, disse ao The Daily Caller que "o FBI investiu milhares de horas investigando e não encontrou indícios de intrusão", descrevendo o caso de Hillary Clinton como "o tema mais vasculhado da história política moderna na América".

    O escândalo de e-mail de Clinton surgiu em março de 2015, quando o The New York Times informou que a ex-secretária de Estado havia usado uma conta pessoal para conduzir assuntos do governo de 2009 a 2013, violando as regras do Departamento de Estado.

    Em 10 de julho de 2015, o FBI lançou uma investigação completa sobre a "possível transmissão e armazenamento não-autorizado de informações confidenciais" no servidor de e-mail pessoal da ex-secretária Hillary Clinton. A agência revelou que uma parte substancial de suas correspondências continha informações confidenciais. Ainda assim, depois de uma investigação de um ano, o diretor do FBI, James Comey, não recomendou nenhuma acusação contra Clinton em 5 de julho de 2016.

    No final de outubro de 2016, Comey retomou a investigação dos e-mails de Clinton depois que alguns deles foram encontrados em um laptop de propriedade de Anthony Weiner, marido do assessor de Clinton, Huma Abedin. Poucos dias depois, Comey afirmou que o FBI não havia mudado suas conclusões anteriores em relação à candidata democrata à presidência.

    Tags:
    Inspetoria Geral da Comunidade de Inteligência (ICIG), The Daily Caller, The New York Times, FBI, Nick Merrill, Louie Gohmert, Hillary Clinton, Washington, DC, Estados Unidos, América, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik