23:28 13 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Molde para emissão de cédulas de dólares norte-americanos para oferta com o retrato de Donald Trump

    'Nós realmente não temos aliados, temos satélites': como EUA manipulam outros países

    © AP Photo / Pavel Golovkin
    Américas
    URL curta
    16273

    Através da ameaça de impor sanções pela compra de sistemas antiaéreos russos S-400, os EUA tentam manter sua influência em outros países, disse o ex-diplomata norte-americano Jim Jatras em uma conversa com o RT.

    De acordo com Jatras, não é a questão da compatibilidade dos S-400 com os sistemas da OTAN que preocupa Washington, uma vez que muitos países do bloco já adquiriram equipamentos militares de diferentes fornecedores.

    "Nós realmente não temos aliados, temos satélites, e um bom satélite faz o que é lhe dito. E se um país não quiser se comportar como um bom satélite, nós pegamos um grande porrete e começamos a ameaçar. Eu acho que a expressão correta [para descrever a política coerciva dos EUA] seria 'sanctions-happy' ('feliz com sanções')", enfatizou ele ao RT.

    Mais cedo, os Estados Unidos não excluíram a imposição de sanções contra os países que quisessem comprar sistemas de defesa antiaérea S-400 Triumf russos, como afirmou a representante oficial do Departamento de Estado dos EUA, Heather Nauert.

    Já o especialista militar russo, Aleksei Leonkov, explicou que desta forma os Estados Unidos estão lutando para manter sua liderança no mercado de armamentos.

    "Eles perdoam alguns e punem outros. Quando jogam assim, um porrete e depois uma cenoura, fica claro que estão lutando pelos mercados", disse o analista.

    Outro cientista político militar e chefe da Cátedra de Ciência Política e Sociologia na Universidade de Economia Plekhanov, Andrei Koshkin, acredita que mesmo no contexto da atual política de sanções os EUA não vão perder seus aliados, sendo que eles "dependem economicamente dos EUA".

    "Quando houver sérios protestos contra as sanções dos EUA por parte dos países ameaçados, as consequências serão irreversíveis e muito difíceis de gerenciar para Washington", explicou ele.

    Duplos padrões?

    Enquanto isso, Washington está disposta a fazer uma exceção para a Índia, que pretende fechar um acordo de compra de sistemas de defesa antiaérea S-400 russos até o final de 2018.

    De acordo com o projeto de novo orçamento de defesa assinado pelo presidente Donald Trump em agosto, é adequado fazer uma exceção para os países que procurem reduzir sua dependência da Federação da Rússia ou expandir a cooperação com os EUA e sejam capazes de provar que eles não tentam minar os interesses de Washington.

    Segundo analisa Koshkin, ao ameaçar com sanções, mas fazendo exceções para alguns Estados, os EUA estão criando uma configuração particular de geopolítica.

    "Estas sanções e guerras comerciais já estão causando a criação de uma espécie de eixo entre a Turquia, Rússia, Irã e China. Se ainda incluirmos a Índia, não seria nada bom para os EUA. Além disso, devemos entender que, tradicionalmente, a Índia comprava armas ainda à URSS ", disse o analista.

    "Os americanos entendem tudo, mas estão dispostos a perdoar e fechar os olhos a este acordo para continuar a influenciar a Índia", concluiu Koshkin.

    Mais:

    Novas sanções dos EUA contra Irã dão pouco espaço a concessões
    Bolton: efeitos das sanções dos EUA sobre Irã são 'mais fortes do que esperávamos'
    China pode colher frutos das sanções americanas contra Irã
    Tags:
    sanções econômicas, guerra comercial, Índia, Turquia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik