16:08 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Um ex-membro da Blackwater se une a familiares, amigos e apoiadores de quatro ex-seguranças da Blackwater fora do tribunal federal em Washington.

    Frustrado com resultados, Trump estaria considerando 'privatizar' a Guerra do Afeganistão

    © AP Photo / Andrew Harnik
    Américas
    URL curta
    10312

    A impaciência de Donald Trump, associada ao custo e a duração da guerra dos EUA no Afeganistão, renovou o interesse do presidente em uma proposta do fundador da Blackwater, Erik Prince, de entregar a missão a empresas privadas de segurança.

    "Eu sei que ele está frustrado", revelou Prince à rede de notícias NBC. "Ele deu ao Pentágono o que eles queriam… E eles não entregaram [o resultado esperado]".

    De acordo com um alto oficial do governo, o interesse renovado de Trump no plano de Prince foi alimentado por um vídeo do YouTube em que Erik sugere que a mudança economizaria dinheiro e recursos dos EUA.

    Prince, um ex-SEAL da Marinha dos EUA, fundou a empresa de segurança privada Blackwater (atualmente Academi) em 1997 e obteve grandes contratos de segurança após a invasão dos EUA ao Iraque em 2003. Em 2007, a Blackwater recebeu atenção mundial quando um grupo de seus funcionários foi condenado por matar 14 civis iraquianos em Bagdá. No ano seguinte, anunciou mudanças organizacionais após severas críticas sobre seu papel na guerra com a criação de um "Exército privado".

    O empresário nunca foi um conselheiro ou parte da equipe de Trump, mas sua doação de US $ 250.000 ao republicano durante a campanha eleitoral de 2016 lhe valeu acesso a muitos membros da equipe de segurança nacional de Trump. Ele também é irmão da secretária de educação de Trump, Betsy DeVos.

    Prince tenta vender sua ideia sobre a privatização da Guerra do Afeganistão desde agosto, quando propôs, por meio de um artigo publicado no New York Times, que as tropas fossem substituídas por militares particulares supervisionados por um enviado especial dos EUA que reportasse diretamente ao presidente.

    Naquela época, os principais proponentes do plano de Prince incluíam o ex-estrategista Steve Bannon e o genro e conselheiro de Trump, Jared Kushner, de acordo com o jornal The Independent. No entanto, o tenente-general HR McMaster, então conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, rejeitou a ideia e foi apoiado pelo agora ex-secretário de Estado Rex Tillerson e pelo secretário de Defesa, James Mattis.

    Prince acredita que o novo conselheiro de Trump, John Bolton e o secretário de Estado atual, Mike Pompeo serão mais receptivos à proposta do que seus predecessores. No entanto, um alto funcionário do Departamento de Estado confidenciou à NBC que Pompeo odiava a ideia, dizendo que "não há chance" dela ser adotada.

    Comentando as notícias, um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional disse que Trump está comprometido com a atual estratégia que assinou depois de meses de deliberações. "Nenhuma proposta de Erik Prince está sendo considerada", informou o The Hill nesta sexta-feira.

    "É uma ideia ridícula", disse um antigo funcionário do governo à NBC. "Isso só pioraria as coisas, prolongaria a guerra e causaria mais mortes".

    O governo afegão também parece rejeitar a proposta. O ex-presidente afegão Hamid Karzai tomou medidas durante seu mandato para restringir o uso de empresas de segurança, e se o plano de Prince for adotado, essas políticas teriam de ser desfeitas, algo improvável sob o governo de Ashraf Ghani.

    A secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, disse na quarta-feira que o presidente está "comprometido em encontrar uma solução política para acabar com o conflito no Afeganistão".

    "Como sempre, vamos continuar a analisar e analisar as melhores maneiras de avançar", disse Sanders, sem negar explicitamente se a proposta de Prince será ou não analisada.

    Tags:
    Guerra do Afeganistão, Departamento de Estado dos EUA, The Hill, Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, The Independent, Casa Branca, The New York Times, Academi, Blackwater, YouTube, Marinha dos EUA, Navy Seals, H.R. McMaster, John Bolton, Mike Pompeo, Ashraf Ghani, Sarah Huckabee Sanders, Hamid Karzai, Jared Kushner, Steve Bannon, Rex Tillerson, James Mattis, Donald Trump, Betsy DeVos, Erik Prince, Afeganistão, Bagdá
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik