07:56 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    O presidente venezuelano, Nicolás Maduro

    Suprema Corte venezuelana no exílio condena Maduro a mais de 18 anos de prisão

    © AP Photo / Ariana Cubillos
    Américas
    URL curta
    754

    Na quarta-feira (15), os juízes venezuelanos exilados condenaram o presidente Nicolás Maduro por corrupção e lavagem de dinheiro a 18 anos e três meses de prisão.

    O Supremo venezuelano destituído é composto por juízes que fugiram do país para a Colômbia, Panamá, Chile e Estados Unidos.

    O tribunal, realizado em uma sala do Congresso colombiano, solicitou uma ordem de captura internacional do presidente Nicolás Maduro e impôs multa de US$ 25 milhões (R$ 97 milhões) por corrupção e de US$ 35 milhões (R$ 136,5 milhões) por lavagem de dinheiro, além da perda dos direitos políticos de Maduro pelo tempo da pena, comunicou a agência Associated Press.

    Os valores seriam devolvidos ao governo venezuelano pelos atos corruptos de Maduro com a construtora brasileira Odebrecht. O advogado de Maduro, Andrés Lindo, rejeitou a sentença e afirmou que os contratos com a Odebrecht eram de outras entidades.

    Os juízes ordenaram que Maduro cumprisse a pena na prisão Ramo Verde, fora de Caracas, onde vários líderes da oposição estão encarcerados.

    "Eu estou pedindo por justiça em nome dos venezuelanos", disse a procuradora-geral Luisa Ortega, destituída pela Constituinte, acrescentando que a cultura de corrupção crônica tem contribuído para constante declínio na vida dos venezuelanos que estão tentando comer três vezes ao dia e fugindo da nação em grandes números.

    Um vídeo divulgado no ano passado mostra um representante da Odebrecht falando com um assistente de Maduro que pediu US$ 50 milhões (R$ 195 milhões) para financiar líderes socialistas na campanha de 2013. O representante aceitou pagar US$ 35 milhões (R$ 136,5 milhões) em troca de condições privilegiadas para projetos da Odebrecht. Maduro nega todas as acusações.

    De acordo com Ortega, a construtora Odebrecht recebeu dinheiro por projetos de obras públicas inacabadas. "Estes trabalhos simplesmente não existem, mas o dinheiro foi pago", acrescentou.

    Mais:

    Venezuela pretende combater 'terrorismo colombiano' após atentado contra Maduro
    Inflação de 1.000.000% na Venezuela? Analistas põem em dúvida última previsão do FMI
    Guerra econômica na Venezuela tem dias contados, diz vice-presidente
    Venezuela é 'bolha no pé dos EUA': especialista sobre tentativa de atentado contra Maduro
    Tags:
    acusações, multa, prisão, Suprema Corte, Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik