16:53 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    7412
    Nos siga no

    O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou nesta sexta-feira (10) que dobrou as tarifas de aço e alumínio sobre as importações da Turquia. As tarifas, ponto polêmico do governo Trump, foram anunciadas em março pelo governo dos EUA e atingem diversos países, incluindo os aliados mais próximos dos EUA.

    "Eu acabo de autorizar uma duplicação das tarifas sobre aço e alumínio em relação à Turquia, pois a moeda do país, aLlira turca, cai rapidamente contra nosso dólar, que é muito forte! O alumínio agora será 20% e o aço 50%", disse Trump sua conta cada vez mais oficial no Twitter.

    ​Trump acrescentou que as relações entre a Turquia e os Estados Unidos "não são boas neste momento".

    Em resposta, o Ministério das Relações Exteriores turco prometeu retaliar as medidas restritivas dos EUA, ressaltando que Washington não obterá resultados ao impor sanções à Turquia.

    "É impossível correlacionar a decisão do presidente Trump de impor tarifas adicionais sobre o aço e o alumínio às regras da Organização Mundial do Comércio. Os EUA deveriam saber que não conseguirão obter nenhum resultado com tais sanções e pressões. Eles só causarão danos às nossas relações como aliados, que resistiram a sérias dificuldades. Como antes, todas as medidas tomadas contra a Turquia receberão uma resposta necessária", disse o ministério em um comunicado.

    O Ministério do Comércio da Turquia também se pronunciou, afirmando que as tarifas extras dos EUA são contra as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC).

    Após o anúncio de Washington, a taxa de câmbio da lira turca caiu mais de 16% em relação ao dólar dos EUA e atingiu o nível mais baixo de todos os tempos. Durante a manhã, a taxa do dólar subiu 16,6%, que passou a ser cotado a 6,46 liras por dólar.

    Tags:
    alumínio, aço, guerra comercial, protecionismo, tarifas, Ministério do Comércio da Turquia, OMC, Recep Tayyip Erdogan, Donald Trump, Turquia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar