21:57 09 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Ativistas contra o aborto se reúnem à espera do resultado da votação em um projeto de lei que legaliza o aborto, em Buenos Aires, Argentina, 8 de agosto de 2018.

    Após vitória apertada na Câmara, Senado da Argentina rejeita descriminalização do aborto

    © REUTERS / Agustin Marcarian
    Américas
    URL curta
    220

    A sessão no Senado argentino durou 12 horas, atravessando todo o dia. O resultado - com 38 votos contrários, 31 favoráveis, 2 abstenções - foi decidido na madrugada desta quinta-feira. Houve bate-boca e até insultos entre a vice-presidente Grabiela Michetti e os senadores de direita.

    A derrota foi um balde de água fria em grupos feministas e ativistas pró-aborto que viram a Lei de Interrupção Voluntária da Gravidez ser aprovada com uma margem apertada na histórica sessão de 14 de junho na Câmara da Argentina.

    A resistência à proposta era firme e só se consolidou ao longo de ontem, com congressistas anteriormente indecisos anunciando voto contrário à medida, como o senador de Tucumán, José Alperovich.

    A Campanha Nacional pelo Direito ao Aborto Legal, Seguro e Livre garantiu que não sairia das ruas pelo direito à interrupção da gravidez. Porém, já reconhecendo a derrota, a líder do grupo, Nelly "Pila" Minyersky declarou no início da noite que "continuaria a fazer campanha até que [o aborto] seja lei".

    "Vencemos, ganhamos um milhão e meio de jovens, e se os senadores votarem contra a lei, seremos nós a passar para a história", afirmou citada pelo jornal Pagina 12. Minyersky classificou ainda como "ilegítimo" o "poder que os senadores que se consideram mestres do nosso destino".

    O projeto que garantiria o aborto seguro e legal a mulheres argentinas foi discutido no Legislativo argentino ao longo de quatro meses. Caso tivesse sido aprovado pelo Senado, a Argentina seria o quarto país a legalizar a interrupção da gravidez na América do Sul, ao lado do Uruguai, Guiana e Guiana Francesa.

    Tags:
    aborto legal, aborto, Senado da Argentina, Grabiela Michetti
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik