21:07 21 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Forças de segurança rodeiam o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, durante o atentado em Caracas em 4 de agosto

    Após atentado, 11 jornalistas foram presos na Venezuela, diz sindicato local

    © AP Photo / Xinhua
    Américas
    URL curta
    921

    Ao menos 11 jornalistas, inclusive estrangeiros, foram detidos ilegalmente na Venezuela e teriam sofrido abusos na detenção após um atentado frustrado contra o presidente Nicolás Maduro, segundo informou neste domingo (5) o Sindicato Nacional dos Jornalistas da Venezuela.

    No sábado (4), um desfile militar na capital venezuelana, Caracas, com a participação de Maduro, foi interrompido pelo que as autoridades disseram ser uma tentativa de assassinato contra a vida do presidente.

    Um grupo rebelde venezuelano, o Flannel Soldiers, assumiu a responsabilidade dizendo que havia usado dois drones carregados de explosivos. Maduro saiu ileso, mas 7 soldados sofreram ferimentos.

    "11 jornalistas e profissionais de mídia foram detidos ilegalmente, alguns foram espancados, enquanto outros foram roubados. Expressamos nosso protesto contra isso e pedimos para punir os responsáveis pela violação do direito à informação", escreveu o sindicato no Twitter.

    Um funcionário da agência de notícias Agence France-Presse (AFP) e os jornalistas da Argentina e da Espanha estão entre os detidos, de acordo com o sindicato.

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik