17:00 13 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Prédio do Congresso dos EUA, Washington

    Congresso dos EUA prepara sanções 'demolidoras' contra Rússia

    CC BY 2.0 / Stephen Melkisethian
    Américas
    URL curta
    40456

    As medidas antirrussas, propostas pelos senadores dos EUA, serão as mais duras nunca antes introduzidas, de acordo com um dos autores do projeto da lei.

    O projeto introduzido por um grupo de senadores prevê adotar sanções contra a dívida pública da Rússia e impedir investimentos norte-americanos para projetos energéticos, apoiados pelas empresas governamentais russas.

    As sanções também serão impostas contra os políticos e empresários. Em particular, planeja-se descobrir quais ativos possui o presidente da Rússia, Vladimir Putin.

    Ademais, os autores da iniciativa propõem criar o centro nacional responsável pela luta contra "desinformação russa".

    Medidas mais duras

    As medidas antirrussas, propostas pelos senadores dos EUA, serão as mais duras nunca antes introduzidas, opina um dos autores do projeto da lei, senador Lindsey Graham.

    "O regime atual de sanções não conseguiu impedir a Rússia de interferir nas eleições intercalares (de meio de mandato) de 2018. Nosso objetivo é alterar o status quo e introduzir sanções demolidoras e outras medidas contra a Rússia de Putin", diz o comunicado de Graham.

    Entretanto, até hoje os EUA não forneceram nenhuma prova de interferência russa nas eleições norte-americanas.

    Segundo declarou o senador, se a Rússia quiser se livrar de sanções, terá que suspender os ataques cibernéticos contra os EUA e mudar sua política na Síria e Ucrânia.

    Mais:

    Como Rússia poderia lidar com possíveis sanções contra sua dívida soberana?
    Em que consiste estratégia iraniana que 'salvará país das sanções americanas'?
    Rússia: Sanções ocidentais dificultam retorno dos refugiados para Síria
    EUA iniciam política de pressão dura sobre outras economias, opina analista
    Tags:
    medidas econômicas, sanções, Congresso dos EUA, Vladimir Putin, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik