20:26 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Lançamento do míssil Minuteman III (foto de arquivo)

    Anomalia impede lançamento do míssil balístico intercontinental dos EUA

    © REUTERS / Michael Peterson
    Américas
    URL curta
    9163

    A Força Aérea dos EUA suspendeu o lançamento de um míssil balístico intercontinental Minuteman III da base de Vandenberg, no estado de Califórnia, por causa de uma anomalia, informa a edição Lompoc Record com referência à declaração da Força Aérea.

    Mais cedo foi comunicado que em 26 de abril os militares norte-americanos realizaram o primeiro lançamento bem-sucedido neste ano de um míssil Minuteman III.

    Conforme a edição, o lançamento estava planejado para terça-feira entre as 00h01 e as 06h01 no horário local (04h01 e 10h01 em Brasília). A Força Aérea relatou que suspendeu o teste às 04h42 (22h42 em Brasília) por causa de uma "anomalia que pode incluir qualquer evento imprevisível durante o teste".

    "Já que as anomalias podem surgir por causa de muitos fatores ligados à própria plataforma operacional ou equipamento de medição, para detectar a razão [da anomalia] é necessário realizar uma análise minuciosa. Para isso está sendo criado um grupo de análise", diz-se na declaração do Comando de Golpes Globais da Força Aérea dos EUA.

    Os mísseis Minuteman inicialmente foram criados para contenção nuclear da União Soviética durante a Guerra Fria. Atualmente, o Minuteman é o único míssil de posicionamento terrestre em serviço do exército norte-americano. Conforme as fontes abertas, os EUA têm 450 destes mísseis, cuja produção acabou em 1978. O míssil tem o alcance de 12 mil quilômetros.

    Mais:

    EUA realizam novos testes de míssil balístico intercontinental Minuteman III (VÍDEO)
    EUA lançam míssil balístico intercontinental Minuteman III no Pacífico (VÍDEO)
    EUA violam tratado de não-proliferação ao ter armas nucleares na Europa, diz Moscou
    Tags:
    alcance, lançamento, anomalia, teste, míssil, Minuteman III, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik