21:18 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Combatentes do ELN (foto de arquivo)

    Governo da Colômbia e ELN tentam acordo para impedir assassinatos de líderes sociais

    © AFP 2018 / ELN's Portal Voces de Colombia
    Américas
    URL curta
    0 50

    O Exército de Libertação Nacional (ELN) está avançando nas negociações com o governo colombiano para conseguir um cessar-fogo bilateral que incorpore acordos humanitários para impedir o massacre de líderes sociais, disse a guerrilha.

    "Queremos que nesta cessação se incorporem ajuda humanitária, acordos humanitários, porque estamos preocupados com o assassinato de líderes, que tem que ter uma ação de neutralização do Estado muito mais efetiva", disse em vídeo o chefe da delegação da paz do ELN, Israel Ramírez, conhecido como 'Pablo Beltrán'.

    O ELN e o governo colombiano fizeram progressos nas negociações de paz que realizaram em Havana sobre questões relacionadas à suspensão das operações guerrilheiras e à circulação irrestrita das forças militares e policiais nos territórios em que o grupo rebelde tem uma presença.

    Beltrán lembrou que no cessar-fogo anterior, mantido entre 1º de outubro de 2017 e 9 de janeiro, essas condições foram cumpridas e que a nova cessação seria a mesma.

    "A última vez em qualquer área foi o acesso restrito às forças policiais e militares do Estado, desta vez é o mesmo", disse o líder guerrilheiro.

    Finalmente, Beltrán anunciou ao futuro governo do direitista Iván Duque, que começará em 7 de agosto, que o ELN mantém sua disposição de continuar na mesa de diálogo na capital cubana.

    Você pode estar interessado: Santos anuncia plano para proteger líderes sociais e defensores dos direitos humanos na Colômbia.

    "Embora essa tabela chegue a um ponto de mudança de governo, queremos que ela tenha continuidade e o que queremos dizer ao país é que ela pode contar com a disposição do ELN de continuar buscando uma solução política para o conflito", afirmou.

    Tags:
    acordo de paz, ELN, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik