23:35 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    CIA Director Mike Pompeo speaks at a Senate Select Committee on Intelligence hearing on worldwide threats, Tuesday, Feb. 13, 2018, in Washington.

    'Homens santos hipócritas', diz Mike Pompeo sobre líderes do Irã

    © AP Photo / Andrew Harnik
    Américas
    URL curta
    13311

    O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, chamou os líderes religiosos do Irã de "homens santos hipócritas", além de acusá-los de corrupção ao afirma que eles acumulam vastas somas de riqueza enquanto permitem que seu povo sofra.

    As críticas de Pompeo vêm próximas do 40º aniversário da revolução islâmica no país, enquanto os EUA se preparam para reimpor sanções econômicas.

    Em declarações preparadas para um discurso neste domingo (22) na Biblioteca e Museu Presidencial Ronald Reagan, Pompeo disse que os EUA não vão calar sobre o que ele entende como abusos do governo iraniano.

    Pompeo criticou os líderes políticos, judiciais e militares do Irã, e disse que o governo "reprimiu sem piedade os direitos humanos, a dignidade e as liberdades fundamentais de seu próprio povo".

    O secretário de Estado também afirmou que irá se aproximar dos importadores de petróleo para que diminuam as importações para o mais próximo de zero.

    Sem tirar o pé do acelerador ele ainda afirmou que o país é governado por "algo que parece mais uma máfia do que um governo" e que o presidente Hassan Rouhani e seu Ministro de Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif não passam de marionetes dos aiatolás.

    Mais:

    Chancelaria da Coreia do Norte se diz 'desapontada' com encontro com Mike Pompeo
    Casa Branca divulga imagens da reunião 'secreta' de Mike Pompeo com Kim Jong-un
    'Valioso': elogiado por Trump, Mike Pompeo é o novo secretário de Estado dos EUA
    'Bola está com a Rússia', diz Pompeo sobre relações entre Washington e Moscou
    Tags:
    sanções econômicas, Mohammad Javad Zarif, Hassan Rouhani, Mike Pompeo, EUA, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik