14:43 23 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Um agente do Departamento de Segurança Interna nega acesso ao prefeito da cidade de Nova York, Bill de Blasio, à instalação de crianças imigrantes em Tornillo, Texas, perto da fronteira com o México.

    Agentes federais acusam prefeito de Nova York de cruzar ilegalmente fronteira com o México

    © AP Photo/ Andres Leighton
    Américas
    URL curta
    102

    O serviço de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA acusou o prefeito da cidade de Nova York, Bill de Blasio de ir até o México cruzando a fronteira a partir dos EUA, violando a legislação que obriga a apresentação de passaportes e inspeção em posto oficial

    A história foi descoberta em uma carta de 25 de junho obtida pela agência Associated Press e publicada pela mídia na quarta-feira. De Blasio rejeitou a alegação, classificando-a "absolutamente ridícula" durante uma coletiva de imprensa. O prefeito ainda caracterizou a acusação como uma cortina de fumaça usada pelo governo de Donald Trump, para desviar a atenção do debate sobre a imigração e a política de separação de famílias solicitantes de asilo.

    O prefeito criticou Trump por suas políticas de imigração. Nova York é uma cidade-santuário (locais que protegem migrantes indocumentados), embora o título pouco ou nada valha atualmente.

    À medida que a crescia a fúria nacional com a política de "tolerância zero" de Trump que gerou a separação de milhares de famílias na fronteira, Blasio e aproximadamente outros 20 prefeitos viajaram para o Texas em uma tentativa de visitar um centro de detenção de crianças migrantes. O grupo chegou à fronteira em 21 de junho, um dia depois que a ordem executiva de Trump "interrompeu" as separações familiares.

    Quando não foram autorizados a entrar nas instalações, De Blasio e seus guarda-costas do Departamento de Polícia de Nova York (NYPD na sigla original) teriam ido ao México e atravessado de volta para os EUA para obter uma visão melhor do prédio, informou a AP.

    A carta afirma que um oficial de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA viu o grupo tirando fotografias e perguntou se alguém tinha autorizado a presença das autoridades. Um inspetor da NYPD respondeu negativamente e, quando o agente perguntou como eles tinham chegado lá, apontaram na direção do México.

    O agente informou que o grupo tinha cruzado a fronteira ilegalmente e pediu que eles ficassem parados enquanto checaria as ordens com o supervisor, levando-os a um ponto fronteiriço oficial, como é exigido por lei. Eles declinaram e caminharam em direção aos seus veículos, dirigindo de volta para o México. Três horas depois, as autoridades voltaram para os EUA de carro em um porto de entrada.

    "[Essa] é outra maneira de distrair [o povo americano] de uma política desumana", disse o prefeito em uma coletiva de imprensa. Tanto ele como seu porta-voz Eric Phillips rejeitaram a acusação.

    "Enquanto estivemos lá, nos disseram onde ficava a linha de fronteira e nós a respeitamos. Voltamos exatamente da mesma maneira, as duas vezes mostramos passaportes e seguíamos com a aprovação dos agentes no ponto de entrada", disse de Blasio. "Em nenhum momento nós desconsideramos qualquer uma das instruções das autoridades federais."

    Tags:
    Associated Press, Departamento de Polícia de Nova York, Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA, Eric Phillips, Donald Trump, Bill de Blasio, Texas, México, Estados Unidos, Nova York
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik