11:35 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    A médica brasileira Karina Oliani durante tratamento dado aos refugiados venezuelanos que chegam ao Brasil

    Muitos venezuelanos chegam ao Brasil desnutridos, diz médica que trabalhou na fronteira

    © Foto : INSTITUTO DHARMA E OPERAÇÃO ACOLHIDA/DIVULGAÇÃO
    Américas
    URL curta
    710

    Apenas no ano passado, aproximadamente 18 mil venezuelanos solicitaram refúgio ao governo brasileiro. Organizações de defesa de direitos de imigração dizem, no entanto, que esse número é ainda maior se levarmos em consideração o número de imigrantes que não entram com o requerimento para obter o status de refugiados.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, a médica Karina Oliani, coordenadora de saúde do Instituto Dharma, que estava na fronteira do Brasil com a Venezuela, afirmou que os venezuelanos chegam ao Brasil com a imunidade baixa devido principalmente à desnutrição.

    "Eles estão desnutridos e mal nutridos, então muitas vezes a pessoa até tem o que comer, mas só come arroz ou só come batata, ela não tem uma fonte de vitaminas, uma fonte de proteína. Elas estão se alimentando de uma maneira muito básica e acabam chegando desnutridas", contou.

    Durante o tempo que passou no abrigo para refugiados, Karina Oliani disse que tratou dos mais variados de doenças. Desde malária, tuberculose, leishmaniose a até uma criança suspeita te ter pego sarampo. "Realmente tem essas doenças infectocontagiosas que estão presentes, mas a gente pegou também muitas doenças de infecção aérea superior, muita gripe, muitas infecções de pele, muitas micoses, bastante diarreia, esses são os casos principais que a gente atende com mais frequência, mas é claro que tem de tudo, desde impetigo a alguns casos de HIV".

    Apesar de fazer parte do Instituto Dharma, a ajuda que Karina Oliani prestou aos venezuelanos que chegam ao Brasil só foi possível através da parceria com o Exército Brasileiro e a chamada Operação Acolhida, que dá apoio material com estruturas de abrigo e alimentos a pessoas em situação de vulnerabilidade.

    "Graças a Operação Acolhida esses refugiados foram recebidos em abrigos que são cuidados pelas Forças Armadas, eles recebem comida diariamente e não estão passando mais fome", disse Karina.

    A médica contou que o instituto realizou aproximadamente mil atendimentos médicos e odontológicos no período em que esteve lá.

    Parceria entre as Forças Armadas e o Instituto Dharma no atendimento aos refugiados venezuelanos que chegam ao Brasil
    © Foto : INSTITUTO DHARMA E OPERAÇÃO ACOLHIDA / DIVULGAÇÃO
    Parceria entre as Forças Armadas e o Instituto Dharma no atendimento aos refugiados venezuelanos que chegam ao Brasil

    "A gente viu que a demanda é enorme e a necessidade vai continuar existindo, estamos estudando a possibilidade de voltar para lá daqui a um mês", disse.

    Antes disso, Karina Olliani vai atuar na Tanzânia e depois, em setembro, pretende voltar a Roraima. O Instituto Dharma aceita a inscrição de voluntários que desejam trabalhar com populações em situação de vulnerabilidade. A inscrição pode ser feita através deste link.

    Tags:
    refugiados venezuelanos, Forças Armadas, Brasil, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik