16:52 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    A Palestinian woman walks past a mural calling people to boycott Israeli goods in the al-Azzeh refugee camp near the West Bank city of Bethlehem on September 17, 2014

    Comissão da Câmara dos EUA aprova projeto que pune entidades que apoiarem boicote a Israel

    © AFP 2018 / AHMAD GHARABLI
    Américas
    URL curta
    265

    A Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Representantes dos EUA aprovou por unanimidade a "Lei Anti-Boicote de Israel" nesta quinta-feira (28).

    A legislação, se for aprovada na Câmara e no Senado e sancionada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, vai permitir que instituições e empresas que apoiam o boicote de empresas e organizações israelenses sejam penalizados.

    Como o projeto foi aprovado pelo Comitê de Relações Exteriores, ele avançará para o plenário da Câmara para uma votação. O projeto de lei nasceu em 2017, mas enfraqueceu no comitê em meio à reação forte de grupos de liberdades civis, como a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU), que criticou a iniciativa alegando que o projeto viola o direito à liberdade de expressão da Primeira Emenda dos EUA.

    A nova versão do projeto de lei não é menos preocupante. Alguns dizem que é ainda pior do que o original, do ponto de vista dos direitos civis. Isso porque o projeto de lei revisado dá ao governo Trump o poder de decidir quem está envolvido nas atividades de boicote e como penalizá-las.

    "O Congresso estará essencialmente revogando seus deveres legislativos e entregando as chaves ao governo Trump. Isso seria uma ameaça ao Estado de Direito, especialmente dado o histórico do governo Trump em ações executivas como a proibição muçulmana e a separação de famílias imigrantes", disse a US Campaign for Palestinian Rights, ao jornal israelense Times. "Mais uma vez, o Congresso tentará empurrar as leis anti-boicote para além do limite da Primeira Emenda".

    O projeto da Câmara é parte de um esforço mais amplo para reprimir o movimento global conhecido como Boicote, Desinvestimentos e Sanções (BDS), que pressiona Israel a respeitar a lei internacional quando se trata da Palestina através de boicotes a instituições israelenses envolvidas em violações dos direitos palestinos.

    Ele não especifica a punição para os infratores desses termos, mas exige que as penalidades sejam "consistentes com as práticas de execução" da Lei de Administração de Exportações de 1979, que pode obter o máximo de disciplinas civis e criminais no valor de US$ 1 milhão (aproximadamente R$ 4 milhões) em multas e até 20 anos de cadeia.

    Mais:

    Israel realiza simulações de ataques com mísseis em seus reatores nucleares
    Israel garante que combatentes do Hamas vão pagar por 'terror e instabilidade'
    Drones suicidas: Israel apresenta sua nova arma (VÍDEO)
    Análise: 'Por pressão midiática, Israel deve continuar derramamento de sangue na Síria'
    Maior companhia aérea de Israel sofre boicote após ato machista
    Tags:
    boicote, Boicote, Desinvestimentos e Sanções (BDS), Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik