18:18 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Adultos e crianças em cela da polícia de fronteira dos EUA (foto de arquivo)

    Trump comenta migração: 'Não podemos deixar que todas essas pessoas invadam nosso país'

    © AFP 2018 / John Moore/ Getty Images/ AFP
    Américas
    URL curta
    1674

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump se manifestou mais uma vez no Twitter para reafirmar sua posição sobre a política de migração em meio discussões e críticas sobre a separação das famílias na fronteira.

    "Não podemos permitir que todas essas pessoas invadam nosso país", escreveu no Twitter o presidente, acrescentando que se um imigrante ilegal entrar nos EUA, as autoridades devem "imediatamente, sem juízes ou casos judiciais, mandá-los de volta de onde vieram".

    ​Ele também classificou a política de imigração dos EUA de "escárnio", "ridicularizada no mundo inteiro". Trump também pediu novamente um sistema de imigração baseado no mérito, já que, argumenta, o modelo atualmente "é muito injusto para todas as pessoas que passaram pelo sistema legalmente e estão esperando na fila por anos".

    A política de separação de crianças dos pais migrantes ilegais foi duramente criticada em todo o mundo. O papa Francisco, por exemplo, declarou à Reuters que a  “a separação de crianças de seus pais é contrário aos valores católicos e algo imoral”. O Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein afirmou que considerar "que um Estado busca dissuadir os pais infligindo tal abuso às crianças é inadmissível".

    Com 49 crianças brasileiras detidas em centros de menores e longe dos pais nos EUA, o Brasil subiu o tom em relação à crise. Em conversa com jornalistas, o chanceler Aloysio Nunes declarou que trabalhará para ajudar as famílias contra uma política "que consideramos cruel".

    Tags:
    Ministério das Relações Exteriores do Brasil, Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Reuters, Zeid Ra'ad Al Hussein, Aloysio Nunes, Donald Trump, Papa Francisco, Estados Unidos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik