22:59 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    United States President Donald Trump speaks with U.S. Ambassador to the United Nations Nikki Haley before a meeting during the United Nations General Assembly at U.N. headquarters, Monday, Sept. 18, 2017.

    EUA buscam se isolar ao deixar Conselho de Direitos Humanos da ONU, diz diplomata

    © AP Photo/ Seth Wenig
    Américas
    URL curta
    181

    A decisão do presidente estadunidense Donald Trump de deixar o Conselho de Direitos Humanos da ONU (UNHRC) pode ser mais um passo no sentido de reduzir os compromissos globais para traçar um caminho independente para os EUA, disse o ex-diplomata canadense Patrick Armstrong à Sputnik.

    O governo Trump anunciou no início desta semana que os Estados Unidos estavam se retirando do Conselho de Direitos Humanos da ONU após suas recentes críticas a Israel.

    "Meu pensamento […] é que Trump está tentando desatar o nó que liga os EUA a cada coisa que está acontecendo em todos os lugares [do mundo]", disse Armstrong.

    Aos olhos de Trump, os compromissos dos EUA com a rede de instituições globais limitaram a liberdade das administrações em Washington de tomar atitudes que colocam os interesses nacionais dos Estados Unidos e do povo americano em primeiro lugar, sugeriu Armstrong.

    "Essas conexões […] impedem os EUA de se tornarem 'grandes de novo'", disse Armstrong.

    O comportamento público de Trump de frequentemente fazer comentários sem noção, não diplomáticos e pessoalmente abusivos em discursos e em seus comentários no Twitter que perturbam outros líderes estrangeiros também faz parte do plano de alcançar autonomia.

    "Então ele está sendo rude, perturbador e imprevisível, a fim de fazer os outros cortarem as conexões", analisou. "Acho que ele está fazendo isso com intenção, outros acham que é incompetente. Vamos ver. Mas o resultado parece ser o mesmo. Este é apenas outro exemplo".

    Na terça-feira, a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, disse que o UNHRC era uma organização hipócrita que criticava Israel, enquanto seus membros incluíam representantes de Estados que são violadores grosseiros de direitos humanos como Venezuela, China e República Democrática do Congo.

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, se reunirá com o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, em Washington, neste sábado, segundo a programação do Departamento de Estado. Guterres no início desta semana disse que lamentava a decisão dos EUA de se retirar do conselho de direitos humanos.

    O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse na quinta-feira que espera que a decisão dos EUA de deixar o conselho não seja definitiva e que os EUA reafirmem seu compromisso com os direitos humanos.

    Até sua aposentadoria, Armstrong era um diplomata canadense que era especialista na União Soviética e na Rússia. Anteriormente, ele atuou como conselheiro político na embaixada canadense em Moscou.

    Mais:

    Senador russo: sanções dos EUA violam os nossos direitos humanos
    Senado dos EUA aprova resolução exigindo que China respeite direitos humanos no Tibete
    Moscou: resolução da ONU sobre Síria não tem nada a ver com direitos humanos
    Tags:
    estratégia, diplomacia, direitos humanos, Conselho de Direitos Humanos da ONU, ONU, Patrick Armstrong, Mike Pompeo, Nikki Haley, Antonio Guterres, Donald Trump, Estados Unidos, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik