01:49 21 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    081
    Nos siga no

    A decisão do presidente estadunidense Donald Trump de deixar o Conselho de Direitos Humanos da ONU (UNHRC) pode ser mais um passo no sentido de reduzir os compromissos globais para traçar um caminho independente para os EUA, disse o ex-diplomata canadense Patrick Armstrong à Sputnik.

    O governo Trump anunciou no início desta semana que os Estados Unidos estavam se retirando do Conselho de Direitos Humanos da ONU após suas recentes críticas a Israel.

    "Meu pensamento […] é que Trump está tentando desatar o nó que liga os EUA a cada coisa que está acontecendo em todos os lugares [do mundo]", disse Armstrong.

    Aos olhos de Trump, os compromissos dos EUA com a rede de instituições globais limitaram a liberdade das administrações em Washington de tomar atitudes que colocam os interesses nacionais dos Estados Unidos e do povo americano em primeiro lugar, sugeriu Armstrong.

    "Essas conexões […] impedem os EUA de se tornarem 'grandes de novo'", disse Armstrong.

    O comportamento público de Trump de frequentemente fazer comentários sem noção, não diplomáticos e pessoalmente abusivos em discursos e em seus comentários no Twitter que perturbam outros líderes estrangeiros também faz parte do plano de alcançar autonomia.

    "Então ele está sendo rude, perturbador e imprevisível, a fim de fazer os outros cortarem as conexões", analisou. "Acho que ele está fazendo isso com intenção, outros acham que é incompetente. Vamos ver. Mas o resultado parece ser o mesmo. Este é apenas outro exemplo".

    Na terça-feira, a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, disse que o UNHRC era uma organização hipócrita que criticava Israel, enquanto seus membros incluíam representantes de Estados que são violadores grosseiros de direitos humanos como Venezuela, China e República Democrática do Congo.

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, se reunirá com o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, em Washington, neste sábado, segundo a programação do Departamento de Estado. Guterres no início desta semana disse que lamentava a decisão dos EUA de se retirar do conselho de direitos humanos.

    O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse na quinta-feira que espera que a decisão dos EUA de deixar o conselho não seja definitiva e que os EUA reafirmem seu compromisso com os direitos humanos.

    Até sua aposentadoria, Armstrong era um diplomata canadense que era especialista na União Soviética e na Rússia. Anteriormente, ele atuou como conselheiro político na embaixada canadense em Moscou.

    Mais:

    Senador russo: sanções dos EUA violam os nossos direitos humanos
    Senado dos EUA aprova resolução exigindo que China respeite direitos humanos no Tibete
    Moscou: resolução da ONU sobre Síria não tem nada a ver com direitos humanos
    Tags:
    Israel, Estados Unidos, Donald Trump, Antonio Guterres, Nikki Haley, Mike Pompeo, Patrick Armstrong, ONU, Conselho de Direitos Humanos da ONU, direitos humanos, diplomacia, estratégia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar