20:41 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o presidente estadunidense, Donald Trump, saúdam os repórteres durante a cúpula histórica em Singapura, em 12 de junho de 2018

    'Ameaça nuclear': Trump prolonga as sanções contra a Coreia do Norte por mais 1 ano

    © REUTERS / Kevin Lim/The Straits Times
    Américas
    URL curta
    518

    Apesar de um recente degelo nas relações com Kim Jong-un, o presidente Donald Trump está renovando as sanções dos EUA à Coreia do Norte por mais um ano, justificado por uma ameaça incomum e extraordinária de armas nucleares.

    "As ações e políticas do governo da Coreia do Norte, incluindo sua busca por programas nucleares e de mísseis; e outras ações e políticas provocativas, desestabilizadoras e repressivas [...] continuam a constituir uma ameaça incomum e extraordinária para os Estados Unidos", dizia um comunicado da Casa Branca nesta sexta-feira.

    "Trump estende a 'emergência nacional' relacionada ao programa de armas nucleares da Coreia do Norte. (Emergências Nacionais basicamente = autoridade para sanções)".

    Depois de se encontrar com o líder norte-coreano Kim Jong-un em Singapura no início deste mês, Trump prometeu remover as sanções apenas "quando tivermos certeza de que as armas nucleares não são mais um fator". O presidente acrescentou: "Estou ansioso para tirá-las".

    "Apesar da cúpula com Kim Jong-un, Pres Trump notifica ao Congresso que está renovando a emergência nacional com respeito à Coreia do Norte para manter as sanções e restrições dos EUA em vigor por mais um ano. Cita CN e mísseis como uma ameaça à segurança nacional dos EUA".

     "... a emergência nacional com relação à Coreia do Norte ... continuará em vigor depois de 26 de junho de 2018".

    A caminho de casa após o encontro em Singapura, Trump declarou que a Coreia do Norte não representava mais uma ameaça nuclear para os EUA.

    "Não há mais uma ameaça nuclear da Coreia do Norte", escreveu no Twitter. "Reunir-se com Kim Jong-un foi uma experiência interessante e muito positiva. A Coreia do Norte tem um grande potencial para o futuro!".

    O anúncio de sexta-feira, no entanto, sinaliza um retorno aos negócios como de costume. Ao declarar que a ameaça norte-coreana é uma "emergência nacional", Trump simplesmente reaplica as sanções que foram impostas a Pyongyang todos os anos desde 2008.

    As sanções dos EUA contra a Coreia do Norte estão entre as mais punitivas do mundo. Trump, no entanto, concedeu a Kim algumas concessões após a cúpula de 12 de junho, prometendo acabar temporariamente com exercícios militares bianuais com a Coreia do Sul. Trump disse aos repórteres que os "jogos de guerra" eram "muito caros" e "provocativos".

    Como parte do acordo assinado entre os dois líderes, Kim assumiu um vago compromisso de trabalhar para a desnuclearização, uma meta que o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que espera que seja alcançado dentro de dois anos e meio.

    Mais:

    Pentágono suspende programa de intercâmbio militar com Coreia do Sul
    Rússia pode ter papel importante em obras de infraestrutura na Coreia do Norte
    Península coreana está caminhando em direção a paz, diz presidente da Coreia do Sul
    Tags:
    desnuclearização, armas nucleares, diplomacia, política, sanções, Kim Jong-un, Donald Trump, Coreia do Sul, Singapura, Coreia do Norte, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik