02:15 15 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Presidente russo, Vladimir Putin, e presidente norte-americano, Donald Trump, na cúpula da APEC no Vietnã

    Fala de Trump sobre a Crimeia ser da Rússia causa controvérsia na Casa Branca

    © Sputnik / Mikhail Klimentyev
    Américas
    URL curta
    7220

    A Casa Branca não pôde confirmar que o presidente Donald Trump teria dito aos líderes do G7 que a Crimeia deveria pertencer à Rússia, porque todos ali falam russo, declarou a secretária de imprensa Sarah Sanders em uma entrevista nesta quinta-feira.

    Quando perguntado se Trump acredita que a Crimeia deveria ser uma parte da Rússia, Sanders disse aos repórteres:

    "Eu não tenho conhecimento de nenhum comentário como esse. Eu sei que isso foi relatado, mas não vou comentar sobre uma conversa privada da qual não fiz parte", afirmou.

    De acordo com o site Buzzfeed, Trump fez a declaração sobre a Crimeia durante um jantar privado do G7 em Quebec na semana passada. Ele também chamou a Ucrânia de um dos países mais corruptos do mundo e perguntou aos membros da cúpula como eles podem apoiar Kiev.

    Trump chocou a cúpula do G7 sugerindo que a Rússia deveria voltar ao grupo e poder participar das negociações. A sugestão foi rapidamente rechaçada pelos demais países.

    Além disso, o presidente dos EUA se separou do Canadá e dos aliados europeus em questões comerciais e se recusou a assinar um comunicado na conclusão do encontro.

    A Crimeia separou-se da Ucrânia e voltou à Rússia na primavera de 2014, quando mais de 97% dos residentes da península votaram a favor da reunificação em um referendo.

    Mais:

    Crimeia e Síria se unem para driblar sanções comerciais
    Ponte da Crimeia é 'cartão de visita' da região, diz chefe da península
    Presidente da Ucrânia deseja levantar bandeira nacional na Crimeia
    Tags:
    diplomacia, reunificação, referendo, Buzzfeed, Casa Branca, G7, Sarah Huckabee Sanders, Donald Trump, Kiev, Ucrânia, Crimeia, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik