23:43 18 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Mulheres se manifestam a favor da legalização do aborto

    Congresso da Argentina legaliza aborto

    © AP Photo/ Jorge Saenz
    Américas
    URL curta
    146

    O projeto de lei, que pretende dar direito às cidadãs de interromperem gravidez até a 14ª semana, passou para o Senado argentino, que tomará a decisão final.

    O aborto legal foi autorizado na Câmara dos Deputados e recebeu o apoio das pessoas de Buenos Aires.

    Segundo informa o jornal El País, a votação foi muito acalorada e durou mais de 20 horas. Os legisladores aprovaram hoje (14) o projeto de lei para interrupção voluntária da gravidez com 129 votos a favor e 125 contra.

    Poucos imaginavam três meses atrás, quando o presidente Mauricio Macri decidiu iniciar o debate, que a legalização do aborto seria aprovada em ao menos uma das duas câmaras. Agora o projeto de lei passará para o Senado, que é mais conservador.

    Atualmente, o aborto é ilegal, com exceção de casos de estupro e de risco de saúde para a mãe. As mulheres que abortam podem enfrentar de um a quatro anos de prisão.

    Na Argentina, quase 50.000 mulheres são internadas anualmente por complicações derivadas de abortos e cerca de 50 delas morrem.

    A aprovação na Câmara dos Deputados é histórica, mas conseguir que se torne lei será tarefa mais difícil no Senado argentino. Muitos legisladores das províncias do norte, mais conservadores e com maiorias sociais contra o aborto, já disseram que iam votar contra. Há uma enorme expectativa para saber qual será o voto da ex-presidente Cristina Kirchner. Em seus oito anos de mandato, ela se opôs a iniciar debate por ser contra aborto, mas não se sabe se, influenciada pela filha e pelos jovens argentinos, esteja disposta a mudar de opinião, conclui o El País.

    Mais:

    Governo argentino escolhe empresa para continuar buscas do ARA San Juan
    Que poder têm empresários na política da América Latina?
    Alemanha apoia resgate da Argentina junto ao FMI
    Tags:
    gravidez, aprovação, aborto, Congresso, Cristina Kirchner, Mauricio Macri, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik