05:17 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Memorial soviético no território do centro internacional para crianças Artek na Crimeia, URSS (foto de arquivo)

    'URSS pode ter colapsado, mas o mal soviético continua florescendo na Rússia de Putin'

    © Sputnik / Konstantin Chalabov
    Américas
    URL curta
    11520

    O "mal soviético" continua vivendo na Rússia, por isso fazer Moscou voltar ao G8 seria um erro, afirmou um senador norte-americano do Partido Republicano Lindsey Graham, em uma entrevista.

    O político expressou assim seu protesto contra as recentes declarações do presidente estadunidense, Donald Trump, sobre a necessidade de fazer os russos se sentarem à mesa de negociações junto com os países-membros do G7.

    "Isto seria um erro. A União Soviética pode ter colapsado, mas o mal que ela representa continua vivendo e florescendo na Rússia de Putin. Ele [o presidente russo] não é um amigo dos EUA. Ele destrói as democracias por todo o lado e tenta fazê-lo em nosso quintal traseiro", afirmou o republicano em uma conversa com o canal ABC News.

    Ao mesmo tempo, Graham reconheceu que o diálogo com Moscou deve ser continuado.

    Há pouco, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que o formato do G8 com a participação da Rússia seria muito mais eficiente que o do G7.

    Vale ressaltar que a Rússia deixou de ser parte do G8 em 2014, na sequência do agravamento das relações com o Ocidente devido à situação em torno da Ucrânia. Há poucos dias, ao ser perguntado sobre a hipótese de voltar ao G7, o porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, disse à Sputnik que atualmente Moscou está se focando em outros formatos internacionais.

    Mais:

    Putin apela a Poroshenko para que liberte jornalistas russos detidos na Ucrânia
    De olho em encontro 'construtivo', Putin elogia Trump: 'É uma pessoa atenciosa'
    Afinal das contas, o que impede o encontro entre Putin e Trump hoje?
    Tags:
    senador, G7, Senado dos EUA, Partido Republicano, EUA, Rússia, URSS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik