03:43 19 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Destroier norte-americano Nitze junto com outros navios militares no porto do Rio de Janeiro, Brasil (foto de arquivo)

    Pentágono impõe sua agenda à América Latina, opina analista

    © AP Photo/ Victor R. Caivano
    Américas
    URL curta
    12277

    Até hoje a luta contra as drogas e terrorismo eram as razões pelas quais o Comando Sul do Pentágono diz manter sua presença na América Latina. Contudo, nos últimos documentos já se fala da corrupção.

    A especialista militar Silvina Romano notou na entrevista à Sputnik Mundo que esse problema tem um caráter civil e não tem nada a ver com governança militar na América Latina.

    "A instalação da base militar em Neuquén, Argentina, é uma evidência da aproximação do presidente Mauricio Macri com o governo e setor privado dos Estados Unidos. Agora dizem que o problema principal na Argentina é o terrorismo. Eu me pergunto se este é realmente o principal problema para os argentinos", ressaltou Romano.

    Além do mais, ela chamou atenção para os planos do Pentágono na América Latina.

    "Dizem que a base em Neuquén vai ser aberta para ajuda humanitária, mas por trás disso está a presença territorial das forças militares dos EUA. A Patagônia é a entrada à Antártida, tudo isso se faz nos interesses da indústria militar dos EUA. Qualquer projeto do Comando Sul vai contribuir para a indústria das armas norte-americana", explicou a analista.

    O terrorismo, a ajuda humanitária, a guerra contra drogas — "tudo isso são doutrinas impostas pelos EUA, é Washington que impõe a agenda e dita quais são os problemas que devem preocupar a nossa região", frisou a analista e pesquisadora.

    Além disso, o Comando Sul, a missão permanente militar dos EUA na América Latina e no Caribe, busca intervir nas questões não ligadas à defesa ou segurança.

    "De repente começaram a se preocupar com a corrupção, que sempre tem sido um assunto civil", diz Romano.

    Conforme ela, há um documento de 2018 do Comando Sul em que a corrupção é classificada como "câncer que devora a democracia" na América Latina.

    "A questão é como os EUA pretendem lutar contra ela. Quando falamos da guerra jurídica contra a corrupção, da liquidação de oponentes políticos, falamos sobre a guerra híbrida que é travada sempre e em várias frentes ao mesmo tempo: na mídia, psicologia, economia, etc.", concluiu Romano, investigadora do Centro Estratégico Latino-americano de Geopolítica (CELAG).

    Mais:

    Não é intervenção militar dos EUA: analista revela maior ameaça para governo de Maduro
    Colômbia se aproxima da OTAN: 'Surge grande plano para conquistar América Latina'
    Deputado sobre vitória de Maduro: povo venezuelano 'deu uma lição à CIA'
    Tags:
    corrupção, militar, base, influência, intervenção, Pentágono, EUA, América Latina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik