06:43 18 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, saudando seus apoiadores no fim da campanha eleitoral em Caracas, 17 de maio de 2018

    Venezuela diz que União Europeia não tem autoridade moral para questionar suas eleições

    © REUTERS / Carlos Jasso
    Américas
    URL curta
    8112

    O Ministério das Relações Exteriores da Venezuela publicou um comunicado nesta segunda-feira (28) afirmando que os países que compõem a União Europeia carecem de poderes legais e morais para questionar as eleições na Venezuela.

    "A Venezuela reitera que nenhuma instância da União Europeia, assim como qualquer um de seus governos, tem qualquer competência legal, muito menos autoridade moral, para questionar as decisões que o povo venezuelano toma no livre exercício de sua democracia", diz o comunicado.

    As conclusões do Conselho de Relações Exteriores da União Europeia, divulgadas em 28 de maio, demonstram ao governo venezuelano uma atitude intervencionista e hostil" do bloco.

    A reação veio depois que os chanceleres da União Europeia assinaram uma prorrogação das sanções contra a Venezuela por conta da realização de eleições "não críveis, nem transparentes", referentes às eleições de 20 de mais, em que Nicolás Maduro saiu reeleito. 

    Nesse sentido, a Venezuela reiterou sua disposição de manter uma relação de respeito mútuo e cooperação abrangente com o bloco europeu, mas adverte que não aceitará "interferência" por parte de potências estrangeiras.

    As eleições na Venezuela foram questionadas pelos países membros da União Europeia, bem como pelos membros do chamado Grupo de Lima, composto por 14 países americanos, incluindo o Brasil. 

    As autoridades venezuelanas, no entanto, garantiram a transparência do seu sistema eleitoral, destacando que a reeleição do presidente Nicolás Maduro para o período 2019-2025 deve ser respeitada pela comunidade internacional.

    Mais:

    'Ameaça à paz': Venezuela condena aliança da Colômbia com OTAN
    Especialista explica como os EUA poderiam organizar um golpe na Venezuela
    Maduro acusa EUA de planejarem golpe militar na Venezuela
    China se opõe a 'cruzada' dos EUA contra Venezuela, diz analista
    Tags:
    sanções, eleições, Nicolás Maduro, União Europeia, América Latina, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik