15:57 25 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Ex-prefeito de Nova York, Michael Bloomberg

    Ídolo de João Doria, ex-prefeito de Nova York defende mais impostos para pobres (VÍDEO)

    © AP Photo / Thibault Camus
    Américas
    URL curta
    614

    O bilionário e político estadunidense Michael Bloomberg afirmou que gostaria de aumentar os impostos sobre os cidadãos de baixa renda em sua cruzada contra as bebidas açucaradas. Segundo ele, é uma "coisa boa para essas pessoas".

    Ex-prefeito de Nova York, Bloomberg disse que quer decidir o que é bom para pessoas de baixa renda.

    "Algumas pessoas dizem, bem, os impostos são regressivos. Mas neste caso, sim eles são. Essa é a coisa boa sobre eles porque o problema está em pessoas que não têm muito dinheiro. E assim, impostos mais altos devem ter um impacto maior em seu comportamento e em como eles lidam com eles mesmos", introduziu.

    "Então, eu ouço as pessoas dizendo 'oh, nós não queremos taxar os pobres'. Bem, nós queremos que os pobres vivam mais para que possam obter educação e aproveitar a vida. E é por isso que você quer fazer exatamente o que muitas pessoas dizem que você não quer fazer", declarou em um painel de discussão do Fundo Monetário Internacional (FMI), em conversa com a chefe da entidade, Christine Lagarde.

    Foi então que Bloomberg expôs exatamente onde queria chegar com a sua polêmica argumentação. E atacou um desafeto antigo: a indústria dos refrigerantes.

    "A questão é que você quer ceder a essas pessoas? Ou você quer levá-los a viver mais tempo? Não há dúvida. Se você aumentar os impostos em bebidas açucaradas cheias, por exemplo, eles beberão menos e não há dúvida de que as bebidas açucaradas são um dos principais contribuintes para a obesidade e obesidade é um dos principais contribuintes para doenças cardíacas, câncer e uma variedade de outras coisas", emendou.

    O bilionário passou então a comparar o Exército dos EUA com a indústria do carvão.

    "Nós temos muitos soldados nos Estados Unidos no Exército dos EUA, mas nós não queremos começar uma guerra só para dar a eles algo para fazer e é exatamente o que você está dizendo quando diz 'bem, vamos continuar carvão matando pessoas porque não queremos que os mineradores de carvão percam seus empregos'", ponderou.

    "A verdade é que não há muitos mineiros de carvão de qualquer maneira e podemos encontrar outras coisas para eles fazerem. Mas a comparação é: uma vida ou um emprego. Ou impostos ou vida? Qual você quer fazer? Tome seu veneno", avaliou.

    Bloomberg tem sido um feroz defensor dos impostos aos refrigerantes. No ano passado, ele gastou US$ 3 milhões em uma campanha publicitária que apoia um imposto sobre refrigerantes na região de Chicago. Quando ele era prefeito de Nova York, ele tentou banir bebidas açucaradas na cidade, mas fracassou.

    Ele também criticou os recentes cortes de impostos do presidente dos EUA, Donald Trump. Bloomberg analisou que eles são um "erro economicamente indefensável" e não levarão a salários e crescimento significativamente maiores.

    Candidato ao governo de São Paulo neste ano, o empresário brasileiro João Doria (PSDB) se inspirou em Bloomberg e sua plataforma como prefeito de Nova York para vencer as eleições de 2016, quando venceu a corrida pela Prefeitura da capital paulista.

    Mais:

    Desigualdade: 5 brasileiros têm riqueza equivalente à soma dos 104 milhões mais pobres
    Mísseis para os pobres: quem o país mais fechado no mundo arma e para quê
    FMI: conta do aquecimento global será mais salgada para países pobres
    Vem aí mais um partido: Frente Favela Brasil quer falar pelos pobres e negros do Brasil
    Tags:
    refrigerantes, ricos, pobres, aumento de impostos, FMI, Christine Lagarde, Donald Trump, João Doria, Michael Bloomberg, São Paulo, Estados Unidos, Nova York
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar