22:25 22 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    President Donald Trump, left, speaks as South Korean President Moon Jae-in looks on during a joint news conference at the Blue House in Seoul, South Korea, Tuesday, Nov. 7, 2017

    Trump admite: cúpula com a Coreia do Norte marcada para junho pode ser adiada

    © AP Photo / Andrew Harnik
    Américas
    URL curta
    304

    A aguardada cúpula entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano Kim Jong-un "pode ou não acontecer" como previsto, dependendo das ações de Kim nos próximos dias, afirmou Trump em uma reunião com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in.

    Trump e Moon se encontraram na Casa Branca nesta terça-feira para discutir a cúpula, marcada para 12 de junho em Singapura. Ambos permaneceram otimistas sobre a reunião, embora Trump tenha dito que não estava "feliz" com as recentes mudanças na atitude norte-coreana.

    O tom de Pyongyang mudou após o segundo encontro de Kim com o presidente chinês, Xi Jinping, declarou Trump a repórteres antes da reunião, segundo a Agência Reuters. Ele chamou Xi de "jogador de poker de classe mundial", alguém que ele gostaria de pensar que está comprometido com a paz na península coreana.

    "Se isso não acontecer, talvez isso aconteça mais tarde", afirmou Trump sobre o encontro. "Pode não acontecer em 12 de junho".

    Perguntado se preferiria desnuclearização ao longo do tempo ou de uma só vez, Trump não titubeou: "tudo de uma vez só seria bom."

    Se Kim continuar com a desnuclearização, "vou garantir sua segurança", continuou Trump, acrescentando que os líderes da Coreia do Sul, China e Japão lhe disseram que investiriam grandes quantias de dinheiro para "ajudar a tornar a Coreia do Norte ótima".

    "Tudo vai dar certo. Não posso te dizer como ou por quê. Mas sempre acontece", comentou Trump a repórteres.

    Moon disse que Trump conseguiu alcançar uma "mudança positiva dramática" nas relações com a Coreia do Norte. Ele está confiante de que Trump será capaz de tornar a próxima cúpula bem sucedida e "acabar com a Guerra da Coreia", avaliou.

    Otimismo e modelo líbio

    Reconhecendo que há vozes céticas nos EUA sobre a cúpula e as perspectivas de desnuclearização, Moon disse que o "destino e futuro" da península coreana depende dela.

    Perguntado sobre sua visão para a península coreana, Trump disse que estava "olhando para ter duas Coreias de muito sucesso" no início, e então seria "amplamente por conta deles" se unificar no caminho.

    O presidente dos EUA descreveu a fronteira entre as duas Coreias como "artificial" e amplamente imposta pelos EUA durante a Guerra da Coreia na década de 1950.

    A cúpula Trump-Kim foi marcada após um encontro histórico entre Kim e Moon em Panmunjom em abril. No entanto, a retórica norte-coreana entrou em ebulição depois de declarações do conselheiro de segurança de Trump, John Bolton.

    Bolton apresentou o "modelo líbio" de desnuclearização como o ideal, com Pyongyang apontando que Washington liderou uma operação de "mudança de regime" na Líbia em 2011, depois que Trípoli entregou seus materiais de pesquisa nuclear aos EUA em 2003.

    Trump se distanciou das declarações de Bolton na semana passada, mas disse à Coreia do Norte que o modelo líbio de mudança de regime pode acontecer se as negociações de paz falharem. A mensagem foi posteriormente repetida por seu vice-presidente Mike Pence.

    Mais:

    EUA desviam bombardeiros da península coreana após Kim ameaçar cancelar cúpula com Trump
    Big Mac em Pyongyang: Kim quer usar cúpula com Trump para obter investimentos dos EUA
    Coreia do Norte liberta americanos e anima Trump antes da cúpula com Kim
    Tags:
    armas nucleares, relações bilaterais, diplomacia, cúpula, desnuclearização, Xi Jinping, Kim Jong-un, Donald Trump, Moon Jae-in, Singapura, Líbia, China, Estados Unidos, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik