21:16 22 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro, presidente da Venezuela

    'A oposição na Venezuela está absolutamente desarticulada', afirma pesquisador

    © REUTERS / Miraflores Palace
    Américas
    URL curta
    12131

    O presidente Nicolás Maduro foi reeleito com folga na Venezuela e presidirá o Executivo do país por mais 6 anos. Em entrevista à Sputnik Brasil o professor Paulo Velasco explica as razões que levaram a uma derrota da oposição e as consequências internacionais que a permanência de Maduro pode acarretar à Venezuela.

    As eleições presidenciais venezuelanas foram consideradas controversas devido aos questionamentos internos e externos sobre a lisura do pleito, e era sabido de antemão que qualquer resultado favorável a Maduro seria contestado.

    Parte da oposição boicotou as eleições, antecipadas pela Assembleia Constituinte, enquanto o comparecimento às urnas não passou de 42%. E foi sob estas condições que Maduro assegurou os votos de mais de 5 milhões de venezuelanos, enquanto o segundo colocado, o ex-chavista Henri Falcon, chegou a pouco mais de 1 milhão de votos.

    A crise no país continua. Mas em entrevista à Sputnik Brasil, Paulo Velasco, professor de Relações Internacionais, aponta que ideia de que apenas Maduro seja o responsável por essa situação no país é de toda forma injusta.

    "É importante reconhecermos que a oposição tem uma parcela importante de culpa nisso. Desde que o Maduro assumiu o governo, em 2013, e ele venceu, com uma pequena diferença de votos o candidato opositor, Henrique Capriles, do partido Primeiro Justiça, percebemos a oposição tentando inviabilizar por todos os meios o governo do Maduro", afirma o pesquisador da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

    Velasco remete ao momento em que a situação piorou ainda mais, em 2015, quando a oposição garantiu maioria na Assembleia Nacional. Com mais poderes, os opositores de Maduro lançaram-se a tentar inviabilizar ainda mais o governo.

    "Falta, a meu ver, maturidade dos dois lados. A oposição podia tentar um jogo mais consciente, mais cuidadoso e participar das eleições. Aí certamente veríamos o Maduro em uma posição mais suave", aponta o professor.

    Para ele, a oposição errou em boicotar as eleições, uma estratégia de tentativa de deslegitimar as eleições que ele afirma já ter dado errado em outros momentos.

    "Claro que há movimentos estranhos e questionáveis da parte do Maduro, mas simplesmente retirar-se das eleições não é, certamente, o melhor caminho".

    O professor aponta que os candidatos opositores destas eleições não teriam projetos verdadeiros para a Venezuela, e que seriam atores políticos de menor expressão diante de outros que já concorreram à presidência no país, como Henrique Capriles e Leopoldo López.

    "A oposição na Venezuela está absolutamente desarticulada hoje em dia. Ela sofreu um golpe duro, é bem verdade, depois da convocação e da eleição da Assembleia Constituinte em meados do ano passado. De lá para cá a atuação foi muito tímida na oposição".

    Velasco acredita que falta unidade nesses grupos de oposição venezuelanos, que apresentam frentes sem base comum e não conseguem se articular diante da situação. Não haveria, portanto, uma alternativa viável proposta, e articulada entre os grupos opositores.

    "Não há uma alternativa política que venha da oposição. Eles só coincidem nas críticas ao Maduro, no questionamento à legalidade ou legitimidade do governo de Nicolás Maduro, mas não têm um projeto coeso, uniforme. E consequentemente não têm um projeto viável para a Venezuela".

    Como esperado, parte da comunidade internacional reagiu de forma negativa diante do resultado em prol do atual presidente. E ao que parece, a crise venezuelana deve continuar.

    Durante a reunião dos Ministros de Relações Exteriores do G-20, em Buenos Aires, o chanceler argentino, Jorge Faurie, afirmou, nesta segunda-feira (21) que Argentina, Austrália, Canadá, Chile, Estados Unidos e México já consideram sanções econômicas contra a Venezuela. 

    O Brasil também afirmou que não reconhecerá os resultados da eleição.

    Na tarde desta segunda-feira (21), o presidente norte-americano Donald Trump anunciou a introdução de medidas contra a Venezuela, restringindo a compra de ativos públicos do país.

    Para o professor Velasco, isso pode ser lido como um reflexo do que considera um total isolamento do país na vida diplomática local, com exceção de alguns poucos países. Em fóruns e organizações regionais como o Mercosul, OEA e UNASUL, o país segue isolado.

    "Isso tem, inclusive, reflexos materiais, reflexos econômicos. O comércio do Brasil com a Venezuela, que chegou a ser um comércio bastante razoável no início desta década, hoje é pífio em relação ao que já foi. Então há reflexos econômicos que resultam desse isolamento internacional da Venezuela", conclui o pesquisador.

    Mais:

    Quais serão principais desafios para Maduro neste mandato? Analista esclarece
    Deputado sobre vitória de Maduro: povo venezuelano 'deu uma lição à CIA'
    Nicolás Maduro é reeleito presidente da Venezuela
    Maduro faz comício ao lado de Maradona e diz confiar em vitória
    Tags:
    Venezuela, eleições venezuelanas, Unasul, Organização dos Estados Americanos (OEA), Mercosul, Paulo Velasco, Jorge Faurie, Henri Falcon, Nicolás Maduro, México, Chile, Austrália, Canadá, Estados Unidos, Brasil, Argentina, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik