04:26 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro entrega seu voto nas presidenciais, em 20 de maio de 2018, em Caracas

    3 fatores que vão decidir hoje o resultado do voto na Venezuela

    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
    Américas
    URL curta
    16223

    Nesta manhã (20), foram abertas as primeiras secções eleitorais na Venezuela. O cientista político de Caracas, Alejandro Fierro, falou com a Sputnik sobre os fatores que têm um papel crucial nas vésperas das eleições na Venezuela, nas quais se decide quem governará o país ao longo dos próximos seis anos.

    "O clima aqui é de tranquilidade, dado que a campanha eleitoral foi bem mais fria e não teve nada a ver com as campanhas dos anos passados, com alta tensão ideológica e grande nível de polarização", disse Fierro, investigador do Centro Estratégico Latino-americano de Geopolítica (CELAG), à Sputnik Mundo.

    "Tanto Maduro [Nicolás Maduro], como Falcón [Henri Falcón] e Bertucci [Javier Bertucci], concentraram sua campanha em torno da crise econômica. Não se falou tanto de confrontação política, mas de como solucionar os problemas econômicos de forma mais pragmática", adiantou.

    De acordo com o especialista, o maior "mistério" que será desvendado em 21 de maio será a configuração de forças no palco interno da Venezuela.

    "Embora a pressão exterior tenha muita importância, o destino do país se decide de qualquer maneira dentro do país. Se Henri Falcón conseguir um resultado bom, mesmo com a vitória de Maduro, como indica a maioria das pesquisas, ele provavelmente poderá expulsar a oposição tradicional e criar uma nova alternativa ao chavismo", opinou.

    Fierro frisou que, segundo as enquetes, 85% dos venezuelanos não querem que os acontecimentos trágicos de 2014 e 2017 se repitam.

    "Eles acham que as divergências devem ser resolvidas através do diálogo e eleições e não através dos protestos de rua. A imagem de compatriotas se queimando uns aos outros ficou gravada na memória dos venezuelanos", explicou o analista.

    Em seguida, Fierro enumerou os três principais fatores que influem nestas eleições.

    "Primeiro, é o apelo da oposição tradicional à abstenção; segundo, é o problema dos emigrantes, pois centenas de milhares dos venezuelanos emigraram devido aos problemas econômicos; e, em terceiro, a desilusão com os políticos em geral", argumentou.

    Ao concluir, ele abordou o problema do comparecimento às urnas, evidentemente em relação ao apelo da oposição para não votar.

    "Juan Manuel Santos foi eleito presidente da Colômbia com uma taxa de comparecimento de 47% no segundo turno, e ninguém duvida de sua legitimidade. O prefeito de Nova Iorque, Bill de Blasio, foi eleito com taxa de comparecimento de 24%. Caso ao menos 50-60% dos venezuelanos votem, já será muito difícil não reconhecer essas eleições como legítimas", observou.

    Mais:

    Temer só perde para Maduro entre os mais mal avaliados da América Latina, mostra pesquisa
    Maduro ressalta laços com Cuba após encontro com novo presidente cubano
    Eleições na Venezuela: de que são capazes EUA para impedir vitória de Maduro?
    Tags:
    taxa de comparecimento, eleições presidenciais, eleições, oposição, Henri Falcón, Nicolás Maduro, Colômbia, Venezuela, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik