03:50 16 Junho 2019
Ouvir Rádio
    U.S. President Donald Trump (R) and NATO Secretary General Jens Stoltenberg shake hands during a joint news conference in the East Room at the White House in Washington, U.S., April 12, 2017.

    Ouviu, Merkel? Trump promete 'enquadrar' países que não gastam o bastante na OTAN

    © REUTERS / Jonathan Ernst
    Américas
    URL curta
    517

    Os Estados-membros da OTAN que não cumprem suas obrigações financeiras com o bloco militar liderado pelos EUA serão "enquadrados", advertiu Donald Trump, destacando especialmente a Alemanha como um país que não contribui o suficiente.

    A ameaça velada aconteceu em uma reunião de gabinete em Washington na quinta-feira, que contou com a presença do secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg.

    "Nós temos alguns que não [fornecem uma contribuição suficiente para a OTAN] e, bem, eles serão enquadrados", afirmou Trump, conforme citado pela Agência Reuters. Berlim, em particular, "não contribuiu com o que deveria estar contribuindo e é um grande beneficiário", disse ele a Stoltenberg.

    "A Alemanha deve demonstrar liderança na aliança, abordando o seu déficit de longa data nas contribuições de defesa", acrescentou o líder dos EUA.

    Stoltenberg elogiou Trump por sua pressão sobre os membros do bloco para aumentar seus gastos com defesa, dizendo que tal política já havia "ajudado a fazer a diferença".

    "Isso está afetando os aliados porque agora todos os aliados estão aumentando os gastos com defesa. Nenhum aliado está cortando mais seus orçamentos", comentou o chefe da OTAN.

    No entanto, nem todos estão dispostos ou são capazes de ampliar seus orçamentos de defesa para o nível "mínimo" de 2% do produto interno bruto até 2025, conforme exigido por Trump.

    A ministra da Defesa da Alemanha, Ursula von der Leyen, disse na segunda-feira que o país só aumentará seus gastos militares em 1,5% nos próximos sete anos. Von der Leyen disse que o dinheiro não deveria ser o principal critério e observou que a Alemanha continua sendo o segundo maior contribuinte de mão-de-obra para a OTAN.

    A declaração foi um tanto surpreendente, pois foi feita poucas horas depois que a chanceler Angela Merkel prometeu que a Alemanha manteria sua promessa de 2% para a aliança.

    "Estamos ansiosos para que o governo alemão traga um plano confiável para a cúpula da OTAN em julho, mostrando como cumprirá sua promessa de gastar 2% do PIB em defesa", disse Richard Grenell, novo embaixador dos EUA na Alemanha, em resposta por e-mail na quinta feira.

    As relações entre os EUA e a Alemanha estão atualmente prejudicadas por várias questões além dos gastos com defesa. Berlim está liderando a resistência da UE às tarifas norte-americanas em aço e alumínio, enquanto Washington está pressionando a Alemanha a desistir da construção do gasoduto Nord Stream 2 a partir da Rússia.

    A retirada americana do acordo nuclear iraniano também foi condenada pela liderança alemã. "Não é mais o caso de os EUA simplesmente nos protegerem. A Europa precisa tomar seu destino em suas próprias mãos", pontuou Merkel logo após a decisão de Trump de retirar-se do acordo histórico, que é universalmente apoiado na UE.

    Trump criticou a OTAN durante sua campanha pela Casa Branca, repetidamente chamando o bloco de "obsoleto" e muito caro para os contribuintes americanos manterem. No entanto, depois de assumir o cargo, o líder dos EUA fez uma reviravolta em seus pontos de vista, prometendo total apoio americano à aliança.

    "Eu disse que era obsoleto. Já não é obsoleto", disse ele, alegando que a OTAN mudou desde então para "combater o terrorismo", tal como ele queria.

    Mais:

    Trump recusa 'proteger da Rússia' os países da OTAN que 'não pagam'
    Trump reclama da OTAN e enaltece os EUA que 'colocaram o comunismo de joelhos'
    Para cientista político, Trump ainda não sabe para que serve a OTAN
    Tags:
    cooperação, diplomacia, investimento militar, segurança, defesa, OTAN, Jens Stoltenberg, Donald Trump, Ursula von der Leyen, Angela Merkel, Rússia, Alemanha, Europa, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar