04:11 15 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Guantánamo (imagem referencial)

    Americano se submete a tortura para apoiar candidata a chefe da CIA (VÍDEO)

    © AFP 2018 / MLADEN ANTONOV
    Américas
    URL curta
    414

    Um ex-militar norte-americano, Tim Kennedy, se submeteu voluntariamente à prática de afogamento simulado para expressar seu apoio a Gina Haspel, candidata a dirigir a Agência Central de Informações (CIA), acusada de práticas de tortura, comunicou a edição The Hill.

    Kennedy publicou em sua conta no Facebook um vídeo de 41 minutos, em que seus amigos o submetem ao afogamento simulado, derramando água em sua boca e nariz, acompanhando todo o processo de um interrogatório improvisado.

    ​"Nós fizemo-lo ontem durante quase 45 minutos. De cada vez, derramaram água durante 10 — 60 segundos. Você pode tentar suster a respiração, contudo, a água se acumula nos seios paranasais e escorre nos olhos e no nariz. Só isso. Não é uma tortura", escreveu o ex-militar em sua conta no Twitter, publicando a versão mais curta de sua experiência. 

    Kennedy especificou que suas ações não foram uma tentativa de mostrar sua bravura. "Só queria demonstrar o que é na verdade. São coisas simples", indicou.

    Segundo Kennedy, ele decidiu se submeter à prática para provar que não se trata de tortura e, por conseguinte, as críticas contra Haspel são infundadas. Ele caracterizou a candidata à direção da CIA como uma "heroína", apontou a edição.

    A potencial diretora da CIA, que atualmente é vice-diretora da agência, provavelmente enfrentará perguntas incômodas na audiência de confirmação quanto ao seu papel como responsável em uma prisão secreta da CIA na Tailândia, em 2002. A instalação é suspeita de usar técnicas de torturas contra os detentos.

    Mais:

    Filho de Herzog pressiona governo a solicitar acesso aos dados da CIA sobre ditadura
    Bolsonaro sugere que relatório da CIA sobre tortura na era Geisel é para atingi-lo (VÍDEO)
    Tags:
    torturas, CIA, Gina Haspel, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik