05:51 25 Maio 2018
Ouvir Rádio
    O caça polivalente MiG-31 com míssil hipersônico russo Kinzhal durante a parte aérea dos ensaios do desfile militar do Dia da Vitória em Moscou

    Analistas americanos comparam potencial de armas hipersônicas da Rússia, China e EUA

    © Sputnik / Vladimir Sergeev
    Américas
    URL curta
    6412

    Os EUA não estão atrasados em relação à Rússia e à China no que se refere ao desenvolvimento de armas hipersônicas, já que Washington se tem focado na criação de mísseis não nucleares, se lê em uma matéria do canal norte-americano CNBC.

    De acordo com o artigo, anteriormente, os militares norte-americanos tinham confessado que Moscou e Pequim avançaram nessa área significativamente, uma vez que ultimamente os dois países têm levado a cabo testes bem-sucedidos de armas hipersônicas com maior frequência. Assim, o almirante Harry Harris afirmou abertamente que os EUA estão perdendo suas posições em comparação com a China na elaboração destas armas, após o general John E. Hyten ter admitido que os EUA são incapazes de repelir ataques com mísseis hipersônicos.

    Segundo a analista militar Zoe Stanley-Lockman, citada pelo canal, a tarefa dos EUA é "muito mais sofisticada" que a da Rússia ou da China, uma vez que os mísseis convencionais devem atingir alvos de pequeno porte com grande precisão, enquanto no caso dos mísseis nucleares isso não é o mais importante.

    Os EUA podem ultrapassar seus adversários, segundo o artigo. Assim, outro especialista na área das tecnologias nucleares do Fundo Carnegie, James Acton, assinalou que há muito que os EUA estão desenvolvendo tal tipo de armas, o que é uma grande vantagem de Washington.

    "Por exemplo, no âmbito do programa de maior sucesso norte-americano de armas nucleares, foi lançado um míssil a uma distância de 4 mil quilômetros. Um míssil chinês similar nem sequer percorreria 2 mil quilômetros", afirmou Acton. 

    Anteriormente, o Pentágono destinou cerca de US$ 928 milhões (R$ 3,1 bilhões) para a criação de um protótipo de míssil de cruzeiro hipersônico para a Marinha dos EUA. O contrato com a empresa Lockheed Martin prevê o desenvolvimento do protótipo até 2023.

    Durante seu discurso anual perante a Assembleia Federal, o presidente russo, Vladimir Putin, apresentou as novíssimas armas russas que não possuem análogos no mundo. Entre eles, o sistema de mísseis estratégico Sarmat, um míssil de cruzeiro de alcance ilimitado, um submersível não tripulado e o sistema de mísseis para aviação Kinzhal, entre outros.

    Além disso, o presidente apresentou o sistema de mísseis Avangard, que é capaz de voar nas camadas densas da atmosfera com alcance intercontinental, superando 20 vezes a velocidade do som.

    Mais:

    Ministério da Defesa da Rússia revela detalhes sobre intercepção de seus aviões pelos EUA
    EUA: Coreia do Norte terá um futuro de 'paz e prosperidade' se abandonar armas nucleares
    Tags:
    armas hipersônicas, Rússia, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik