06:38 20 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Gina Haspel

    Indicada por Trump para assumir a CIA quis desistir do cargo, diz mídia dos EUA

    © Foto: YouTube/The OSS Society
    Américas
    URL curta
    421

    Gina Haspel, nomeada pelo presidente dos EUA, Donald Trump, para se tornar a próxima chefe da Agência Central de Inteligência (CIA), quis recusar a oferta por causa de suas preocupações com o uso de técnicas avançadas de interrogatório pelos Estados Unidos, informou a mídia local.

    Haspel disse à administração presidencial na última sexta-feira que planejava renunciar se isso ajudasse a evitar danos à reputação da agência e dela própria, informou o jornal The Washington Post neste domingo.

    Funcionários da Casa Branca, incluindo a porta-voz Sarah Huckabee Sanders e o diretor de Assuntos Legislativos Marc Short, teriam visitado Haspel na sede da CIA e tentado convencê-la a manter a indicação.

    A administração presidencial não tinha certeza até a tarde de sábado de que Haspel permaneceria como a indicada de Trump, segundo o jornal.

    A potencial diretora da CIA, que atualmente é a vice-diretora da agência, provavelmente enfrentará perguntas indigestas na audiência de confirmação a respeito do seu papel como responsável em uma prisão secreta da CIA na Tailândia, em 2002. A instalação é suspeita de usar técnicas de torturas contra detentos.

    Mais:

    Documentos: nova diretora da CIA supervisionou tortura
    Mais de 100 oficiais aposentados pedem ao Senado não confirme Haspel como diretora da CIA
    Chefe da CIA anuncia fim da 'política branda' em relação à Rússia
    Tags:
    espionagem, inteligência, prisão, tortura, CIA, Marc Short, Sarah Huckabee Sanders, Donald Trump, Gina Haspel, Tailândia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik