22:58 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Senador norte-americano John McCain

    Veterano senador dos EUA defende guerra cibernética com a Rússia em novo livro

    © AP Photo / Matt York
    Américas
    URL curta
    1107

    Os Estados Unidos deveriam atacar a Rússia em retaliação a toda a sua interferência eleitoral, argumentou John McCain em um novo livro. O senador republicano tem um excelente histórico quando se trata de revender ataques preventivos baseados em alegações duvidosas.

    McCain, um político veterano dos EUA que representa Arizona, escreveu um novo livro, The Restless Wave (A Onda Inquieta, em tradução livre), que deve ser lançado em 22 de maio. Nele, o amante de mísseis Tomahawk pede uma abordagem mais dura para a Rússia, e para os EUA abraçarem o seu papel como policiais do mundo.

    Em seu livro, McCain escreve que está ansioso para "fazer [o presidente russo Vladimir] Putin lamentar profundamente seu ataque à fundação de nossa democracia", enquanto esconde citações ou notas de rodapé com muita consideração diante de sua reivindicação incendiária.

    "Também temos capacidades cibernéticas", afirma McCain em seu livro. "Elas devem ser usadas para expor a escala épica da corrupção de seu regime ou para envergonhar [Putin] de outras maneiras".

    McCain, que tem 81 anos e sofre de câncer no cérebro, anunciou no mês passado que não buscará a reeleição depois que seu atual mandato terminar, mas continuará a opinar sobre a política americana do lado de fora.

    "Eu sou mais livre que os colegas que enfrentarão os eleitores novamente. Eu posso falar o que penso sem temer muito as consequências. E eu posso confiar em minha consciência sem preocupação”, disse ele.

    Aparentemente, McCain está sem saber que esteve falando livremente sobre o bombardeio no Oriente Médio nos últimos 15 anos, sem consequências. Ele pode falar abertamente sobre bombardear terras distantes que ele, às vezes, até canta sobre isso.

    Rebeldes moderados de McCain

    John McCain queria bombardear a Síria antes que outros Estados ocidentais começassem a cantarolar a mesma melodia. E ele sempre foi o santo padroeiro dos "rebeldes moderados".

    O senador repetidamente fez lobby para que os "rebeldes" recebessem ajuda militar dos EUA, e pediu ataques com mísseis de cruzeiro no governo legítimo do país árabe.

    Na Líbia, ele também elogiou as ações "heróicas" dos rebeldes anti-governo, muitos dos quais estavam de fato ligados à rede terrorista Al-Qaeda. Como na Síria, McCain pediu ajuda militar para os rebeldes e ataques com mísseis de cruzeiro contra alvos do governo.

    A Síria está agora no sétimo ano de um sangrento conflito entre civis e procuradores estrangeiros, e a Líbia é um Estado falido e um centro do comércio moderno de escravos desde que seu governo foi derrubado.

    Mais adiante, McCain pressionou e apoiou as guerras dos EUA no Afeganistão e no Iraque, que custaram diretamente à América cerca de US$ 1,7 bilhão até 2016, e também ceifaram a vida de milhares de civis.

    Mais:

    Rússia e China: pesadelo dos EUA se torna realidade
    General venezuelano: Rússia está frustrando planos dos EUA de se aproveitar da Síria
    Rússia dará resposta 'proporcional' às sanções dos EUA, diz legislador russo
    Tags:
    democracia, guerra cibernética, ciberataque, Al-Qaeda, Vladimir Putin, John McCain, Síria, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik