21:47 21 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Caça F15 aterrisa na base aérea de  Keflavik na Islândia (foto de arquivo)

    EUA reabrem base área da época da Guerra Fria para 'vigiar submarinos russos'

    © AP Photo / Kirsty Wigglesworth
    Américas
    URL curta
    6513

    A base aérea norte-americana de Keflavik, situada na Islândia, volta a abrir 12 anos depois de seu encerramento. Durante a Guerra Fria, mais de 3 mil soldados dos EUA se encontravam no local para monitorar a atividade dos submarinos soviéticos.

    Mais tarde, a base foi fechada e os militares regressaram aos EUA. Contudo, agora, sua atividade está sendo reiniciada, tendo como objetivo a vigilância dos submarinos russos.

    O comandante de Keflavik, Jon Gudnason, em entrevista à edição Deutsche Welle, contou que a ideia de reabrir a base surgiu ainda em 2014.

    "Em 2014, telefonaram-me pessoas de Washington. Eles gostariam de visitar a base e depois enviar para cá algum pessoal", contou Gudnason, adicionando que ele não fez perguntas por estar acostumado a tal tipo de coisas.

    Por mais de meio século, os aviões de patrulhamento norte-americanos vigiaram nas águas do Atlântico Norte submarinos soviéticos.

    Durante a Guerra Fria aqui estava estacionada uma esquadrilha de caças para interceptar bombardeiros estratégicos da URSS. Em 2006, os aviões voltaram à sua pátria – os EUA resolveram que a Rússia pós-soviética não representava uma ameaça.

    Contudo, devido ao aumento das capacidades da Marinha russa e à expansão da geografia de suas expedições, bem como à adoção em serviço de novos submarinos, surgiram preocupações por parte dos EUA e da OTAN.

    Em 2017, o Congresso dos EUA alocou US$ 14,4 milhões (R$ 49,7 milhões) para modernização do hangar e de outras instalações de Keflavik.

    "Todos nós sabemos por que isso está acontecendo", afirmou o ministro das Relações Exteriores da Islândia, Gudlaugur Thor Thordarson, à Deutsche Welle. "Detectamos atividades do exército russo que não vemos há muito tempo. Todas essas coisas que já sabemos […] Podemos dizer que isso voltou a ser relevante."

    Por sua vez, o Ministério da Defesa russo frisou que os submarinos russos realizam todas as suas operações de acordo com as convenções internacionais e não violam as fronteiras de outros países.

    Embora a Islândia não possua seu próprio exército, o país faz parte da OTAN. Além disso, os Estados Unidos são seu principal parceiro comercial, o que torna difícil o país recusar suas propostas.

    Mais:

    Pilotos americanos são alarmados devido a raios laser perto da base chinesa em Djibuti
    Austrália e Canadá posicionarão aviões em base no Japão para monitorar navios de Pyongyang
    Base EUA-França na Síria? Coalizão estadunidense evita comentar possibilidade
    Tags:
    submarinos russos, vigilância, Guerra Fria, base, Rússia, Islândia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik