00:26 28 Maio 2018
Ouvir Rádio
    O então diretor da CIA, Mike Pompeo, deixa seu assento para uma pausa após testemunhar diante do Comitê de Relações Exteriores do Senado dos EUA, em uma audiência para sua confirmação como novo secretário de Estado dos EUA.

    Após confirmar Pompeo, Senado dos EUA deve impedir guerra no Oriente Médio

    © REUTERS / Leah Millis
    Américas
    URL curta
    203

    Senadores dos EUA que confirmaram a nomeação de Mike Pompeo como secretário de Estado devem agora assumir a responsabilidade de evitar uma provável escalada de guerra no Oriente Médio, disse o diretor-executivo do Conselho Nacional Iraniano-Americano, Jamal Abdi, em um comunicado nesta quinta-feira (22).

    "Cada membro do Congresso que alegou ter preocupações com as inclinações agressivas de Pompeo é agora responsável por tomar medidas imediatas para impedir uma escalada e guerra no Oriente Médio", disse Abdi.

    O Senado, acrescentou, falhou com a responsabilidade de colocar o país acima do partido político, e aqueles que favoreceram Pompeo serão responsáveis pelo que vem a seguir.

    Abdi acrescentou que o presidente Donald Trump será cercado por assessores — incluindo Pompeo e o Conselheiro Nacional de Segurança, John Bolton — que querem acabar com o acordo nuclear com o Irã e causar instabilidade na região do Oriente Médio, o que aumenta as chances de guerra com o Irã.

    Mais cedo nesta quinta-feira (26), o Senado confirmou a indicação de Pompeo para servir como secretário de Estado. Pompeo foi empossado momentos depois de sua confirmação.

    Mais:

    Melhor plantar uma árvore do que ouvir Trump
    Macron: 'Trump sairá do acordo nuclear com o Irã em maio'
    As melhores fotos da amizade entre Trump e Macron
    Quer brincar de esconde-esconde com Trump?
    Irã questiona qualificações do 'empreiteiro' Trump para discutir acordo nuclear
    Tags:
    acordo nuclear, oriente médio, diplomacia, Mike Pompeo, Donald Trump, Jamal Abdi, Estados Unidos, EUA, Oriente Médio, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik