08:44 22 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Um caixa recebe notas venezuelanas de bolívar em um mercado no centro de Caracas, Venezuela

    China na América Latina: que países ganham no intercâmbio com gigante asiático?

    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Américas
    URL curta
    240

    As relações entre a China e os países da América Latina começaram há 40 anos. Desde então, os laços vão fortalecendo, ocupando a China hoje em dia os primeiros lugares na lista dos parceiros da região.

    "Uruguai estabeleceu as relações com a China relativamente tarde. Apesar disso, se alguém tiver que fazer uma perspectiva destes últimos dez anos, diria que é a relação mais equilibrada que possa haver na América Latina", afirmou à Sputnik Mundo o cientista político Eduardo Oviedo, especializado na Ásia. Oviedo participou como conferencista principal do evento dedicado ao 30º aniversário das relações bilaterais entre a China e o Uruguai.

    Para o especialista, o gigante asiático ocupa o lugar central na América Latina, embora nos últimos anos alguns países tenham ganhado e outros perdido nas relações bilaterais. Os dois ganhadores principais são o Brasil e o Chile, acredita Oviedo.

    "No caso do Brasil, praticamente dois terços das reservas internacionais, que são quase 380 bilhões de dólares [R$ 1,3 trilhão], provêm do superávit comercial com a China", um êxito que tem sido "diferente do resto dos países por ter havido saldos favoráveis excessivos nos últimos anos baseados em duas commodities fundamentais que são a soja e o mineral de ferro", apontou o cientista argentino.

    A seu ver, a estabilidade financeira do Brasil tem sido sustentada nos últimos anos graças à relação extraordinária com a China, da qual também disfruta o Chile. Santiago tem cerca de 39 bilhões de dólares (R$ 131 bilhões) na reserva provenientes do intercâmbio com Pequim e nos últimos dez anos teve um superávit de quase 48 bilhões de dólares (R$ 162 bilhões).
    Peru, assim como o Uruguai, tem uma relação equilibrada com a China.

    A Argentina, por sua vez, é diferente, demonstrando uma "década perdida" em termos de intercâmbio, embora isso se deva ao objetivo de buscar exportações com maior valor agregado.

    "A Argentina tem aplicado uma política de retenções a suas exportações de grãos, deixando de exportar o grão de soja, mas exportando o produto industrializado", explicou Oviedo.

    Desta maneira, o país acrescenta um pouco de valor àqueles produtos que acabam em mercados como o europeu ou norte-americano, a razão pela qual "há mais complementaridade com outros países do que com a China, porque a China somente compra o grão de soja", concluiu.

    Mais:

    'Defesa do livre comércio': China protegerá interesses diante de tarifas dos EUA
    Como Moscou pode responder às sanções de Washington sem violar direito internacional?
    Tags:
    intercâmbio, comércio bilateral, Chile, Uruguai, Argentina, Brasil, China, América Latina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik