00:06 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro, presidente da Venezuela

    ‘Discussões sobre a Venezuela enfraquecem pauta da Cúpula das Américas’, diz especialista

    © REUTERS / Miraflores Palace/Handout
    Américas
    URL curta
    104

    Lima, capital do Peru, sedia nesta sexta-feira, 13, e no sábado, 14, a 8ª Cúpula das Américas . O tema principal é "a governabilidade democrática frente à corrupção” mas, diante das preocupações generalizadas com a Venezuela, existe a tendência constatada por vários analistas de que a pauta poderá se esvaziar.

    Esta é a tese do professor de relações internacionais Pedro Costa Júnior, da Faculdade de Campinas (Facamp) e das Faculdades Rio Branco, em São Paulo. Em entrevista à Sputnik Brasil, Costa Júnior falou sobre o isolamento a que o governo do presidente Nicolás Maduro está sendo relegado embora não descarte ênfase sobre o projeto original de combate à corrupção:

    "As discussões em torno da Venezuela têm tudo para esvaziar a pauta da Oitava Cúpula das Américas. O tema tem tudo para se transformar no centro das atenções. Outro tema que deve merecer muitas atenções é o do combate à corrupção mas a grande preocupação deve mesmo recair sobre a Venezuela, o que, sem dúvida, esvazia a pauta do encontro."

    Outro fator que, no entender do professor da Facamp contribui para o enfraquecimento da relevância do evento é a ausência do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, representado pelo seu vice, Mike Pence. No início da semana, Trump anunciou o cancelamento de sua viagem a Lima, alegando que precisava acompanhar, em seu país, os desdobramentos da crise envolvendo as acusações ao governo da Síria de ter usado armas químicas contra a cidade de Douma no último final de semana. Nas palavras de Pedro Costa Júnior, a ausência de um líder dos Estados Unidos numa Cúpula das América, é fato absolutamente inédito:

    "O item que me parece o mais importante nesta Oitava Cúpula das Américas é justamente uma ausência, a do mais poderoso chefe de governo das Américas e talvez do sistema internacional, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, representado no evento pelo seu vice, Mike Pence. Desde que a Cúpula das Américas foi criada por Bill Clinton em 1994, em Miami, nunca um presidente dos Estados Unidos ficou fora de uma reunião desse porte. Então, é significativa a ausência do presidente dos Estados Unidos."

    No encontro de dois dias que acontece em Lima, duas propostas sobre a Venezuela estão em debate: a do presidente da Argentina, Maurício Macri, sustenta que todos os governos participantes da Cúpula das Américas devem, ao final do encontro, subscrever um documento contendo rígidas restrições ao regime venezuelano; e a proposta do presidente do Brasil, Michel Temer, é a de que a OEA (Organização dos Estados Americanos) assuma este papel. Para Costa Júnior, a proposta vitoriosa deverá ser a argentina:

    "Com o vazio geopolítico que tomou conta do Brasil e com a perda de prestígio internacional do país, quem parece estar assumindo o protagonismo político na América do Sul é a Argentina com o presidente Maurício Macri cujas ideias parecem ser bem assimiladas pelos Estados Unidos. Com o vice-presidente Mike Pence, os Estados Unidos se fizeram presentes na Argentina mas, desde que Donald Trump assumiu o poder, ainda não realizaram visita oficial ao Brasil. Desse modo, é considerável pensar que os Estados Unidos apoiem a proposta da Argentina contra a Venezuela. Por outro lado, devemos lembrar que existe uma organização que já se revelou capacitada a intermediar as relações dos países sul-americanos com a Venezuela, a Unasul, a União de Nações Sul-Americanas, formada por doze estados e cuja atuação tem-se pautado por grande equilíbrio."

    De todo, Costa Júnior não descarta o envolvimento direto da OEA em relação ao governo venezuelano de Nicolás Maduro:

    "A OEA também é uma opção a ser considerada em relação à Venezuela. A Organização dos Estados Americanos tem respaldado decisões da Unasul e, nesse sentido, a proposta brasileira pode ser levada em conta."

    Para o especialista, não há dúvidas de que Maduro sofre um processo de isolamento com a perda de apoios e parcerias importantes entre os governos latino-americanos:

    "Nicolás Maduro está cada vez mais só na América Latina. O chamado eixo bolivariano se enfraqueceu e os apoios que ainda recebe vêm, sobretudo, de Cuba, Bolívia e, de alguma forma, o Uruguai. Maduro perdeu apoios importantes que tinha em países como Brasil, Argentina, Equador, o próprio Peru, e hoje se vê à beira de um isolamento."

    Mais:

    Lula e os Kirchner são tão culpados quanto Maduro pela crise na Venezuela, diz peruano
    Roraima vai ao STF para fechar fronteira com a Venezuela
    Venezuela suspende todos os voos da companhia aérea panamenha Copa Airlines
    Panamá retira embaixador da Venezuela após inclusão em 'lista de risco'
    Venezuela irá pagar empresa russa com criptomoeda estatal
    Policiais são suspeitos de envolvimento em incêndio que matou 68 em cadeia na Venezuela
    Tags:
    Organização dos Estados Americanos (OEA), Mike Pence, Mauricio Macri, Donald Trump, Michel Temer, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik