08:31 21 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Lenín Moreno, presidente do Equador

    Presidente do Equador confirma morte de jornalistas sequestrados

    © REUTERS / Mariana Bazo
    Américas
    URL curta
    0 0 0

    O presidente do Equador, Lenín Moreno, deu uma entrevista coletiva nesta sexta-feira (13) para confirmar o assassinato de três jornalistas que trabalhavam para o jornal El Comércio, sequestrados no dia 26 de março na província de Esmeraldas, na fronteira com a Colômbia.

    "A mensagem de todos os equatorianos é essa: com profundo pesar, lamento informar que, passadas as 12 horas do prazo estabelecido, não recebemos provas de vida e infelizmente temos informações que confirmam o assassinato de nossos compatriotas", afirmou o presidente do Equador.

    Moreno anunciou uma série de medidas, entre elas declarar a região da fronteira com a Colômbia como área de segurança.

    "Estamos de luto, mas não vamos nos amedrontar. Hoje, mais do que nunca, peço ao país unidade pela paz", afirmou Moreno.

    O presidente equatoriano afirmou que entrou em contato com a Igreja Católica e a Cruz Vermelha, para localizar e recuperar os corpos.

    O jornalista Javier Ortega, de 36 anos, o fotógrafo Paúl Rivas, de 45, e o motorista Efráin Segarra, de 60, foram sequestrados na província de Esmeraldas, na fronteira com a Colômbia, quando realizavam uma reportagem sobre a crescente insegurança na região.

    O sequestro e assassinato foram atribuídos ao grupo Oliver Sinisterra, liderado por Vernaza, um guerrilheiro dissidente das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

    Mais:

    Presidente do Equador abandona Cúpula de Lima após sequestro e execução de jornalistas
    Ex-líder do Equador questiona Cristina Kirchner: 'Como deixamos o neoliberalismo vencer?'
    Equador corta as comunicações de Assange
    Gigante 'portal' de fogo misterioso abre no céu do Equador (VÍDEO)
    Chanceler do Equador: 'Reino Unido se recusa a negociar solução para Julian Assange'
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik