18:28 21 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, em reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a Síria, na sede da ONU em Nova York

    EUA pedem votação de resolução para criar mecanismo de investigação de armas químicas

    © AFP 2018 / Jewel SAMAD
    Américas
    URL curta
    212

    Os Estados Unidos solicitaram uma votação do Conselho de Segurança da ONU sobre um projeto de resolução para estabelecer um mecanismo de investigação de casos de uso de armas químicas na Síria, disseram fontes diplomáticas.

    Os diplomatas disseram a repórteres na quarta-feira que os Estados Unidos pediram ao Conselho de Segurança da ONU que realize uma votação sobre o projeto de resolução às 17:00 (horário de Brasília).

    O Representante Permanente da Holanda na ONU, Karel van Oosterom, disse a repórteres que especialistas estão trabalhando com todos os membros do Conselho de Segurança da ONU e que a medida será adotada na quarta-feira.

    O pedido é feito após relatos recentes sobre um suposto ataque de armas químicas na Síria, publicado por portais de notícias online da oposição síria em 7 de abril, alegando que um ataque químico ocorreu na Síria, na cidade de Douma, perto de Damasco. Reagindo aos relatos, os Estados Unidos e a União Europeia disseram que o governo sírio do presidente Bashar Assad estava por trás do ataque.

    Respondendo a essas acusações, autoridades sírias, citadas pela agência de notícias estatal síria SANA, classificaram as reivindicações de uma provocação realizada pelo grupo terrorista Jaysh al-Islam e outros militantes para impedir o avanço do Exército sírio.

    O Centro Russo de Reconciliação Síria disse que os especialistas militares e médicos russos inspecionaram o local do suposto ataque e não encontraram traços de agentes tóxicos ou vítimas com sintomas de envenenamento químico.

    Tags:
    Jaysh al-Islam, União Europeia, SANA, Centro Russo para a Reconciliação Síria, Karel van Oosterom, Bashar Assad, Douma, Síria, Estados Unidos, Damasco
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik