00:58 23 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Navio de pesquisa científica Yantar

    Navio russo Yantar deixa busca pelo submarino argentino desaparecido

    © Sputnik / Igor Zarembo
    Américas
    URL curta
    151

    O navio russo Yantar abandonará a busca pelo submarino argentino que desapareceu no dia 15 de novembro com 44 tripulantes, informou a Marinha aos familiares daqueles que estavam viajando na embarcação, informou a mídia local nesta segunda-feira.

    "Eles nos disseram que [o navio Yantar] está indo para o Uruguai e depois para Buenos Aires, mas ele não volta mais para a área de busca", disse Malvinas Vallejos, irmã do oficial Celso Oscar Vallejos, um dos tripulantes desaparecidos, citado pelo site Todo Notícias.

    A embarcação russa deve chegar ao porto de Montevidéu na terça-feira para reabastecer e lá vai permanecer até sexta-feira, segundo informações publicadas no site da Administração Nacional de Portos do Uruguai.

    O Yantar era a última embarcação internacional que ainda fazia parte das operações de busca. Agora apenas o navio ARA Islas Argentinas permanece na área de operações.

    Em 6 de dezembro, a embarcação oceanográfica Yantar iniciou a inspeção do fundo do mar com seus sensores de alta tecnologia na área de busca.

    Em 15 de novembro do ano passado, o submarino ARA San Juan informou sua última posição a 432 quilômetros da costa na altura do Golfo de São Jorge, no sudeste do país, quando navegou nas águas do Oceano Atlântico de Ushuaia até a sua estação habitual na Base Naval de Mar del Plata, no leste argentino.

    Mais:

    Mistério sem fim: Argentina oferece recompensa milionária por submarino desaparecido
    Ainda há esperança de encontrar submarino argentino San Juan? Almirante russo responde
    Por que apenas Rússia continua buscas por submarino San Juan?
    Tags:
    ARA Islas Argentinas, ARA San Juan, desaparecimento, submersível, submarino, Yantar, Celso Oscar Vallejos, Malvinas Vallejos, Rússia, Ushuaia, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik