14:20 21 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Mark Zuckerberg

    Alto executivo do Facebook defendeu coletar dados a qualquer custo, diz site

    © AP Photo / Steven Senne
    Américas
    URL curta
    716

    O executivo do Facebook, Andrew Bosworth, escreveu um texto em 2016 em que ele defende a coleta de dados dos usuários da rede social e alertou sobre os perigos que a plataforma pode gerar para a sociedade.

    "A verdade nua e crua é que acreditamos tanto em conectar as pessoas que qualquer coisa que nos permita conectar mais pessoas de maneira mais frequente é 'de fato' boa", escreveu Bosworth.

    O texto se tratava de um comunicado interno para os funcionários da empresa e foi divulgado pelo site BuzzFeed.

    "Então conectamos mais pessoas", escreveu ele em outra parte do texto. "Isso pode ser ruim se as pessoas usarem de maneira negativa. Talvez isso custe a vida de alguém que seja vítima de bullying".

    O executivo até alertou para o risco de ataques terroristas serem feitos fazendo uso do Facebook.

    "Talvez alguém morra em um ataque terrorista coordenado em nossas ferramentas", alertou para os funcionários.

    O texto de Bosworth revela que a chefia do Facebook entendia os riscos que a plataforma poderia representar. Mesmo negando isso publicamente.

    A reportagem foi feita no mesmo período em que o Facebook enfrenta o maior escândalo de sua história, ao ser revelado que a rede social permitiu que a consultoria digital Cambridge Analytica, acessou sem autorização, os dados de 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

    Mais:

    Namoro de agências de publicidade no Brasil com Facebook passa por crise de relacionamento
    Na mira de investigações, Facebook facilita acesso de usuários aos dados pessoais
    Ciro Gomes minimiza escândalo envolvendo Facebook e consultoria Cambridge Analytica
    'Literalmente tudo': o que Facebook sabe sobre nós?
    NYT: Assessor de Trump contratou pesquisa de empresa acusada de roubar dados do Facebook
    Tags:
    Facebook, Mark Zuckerberg
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik